Vem, Enem #2

Enem: confira dicas e estatísticas da prova de Ciências Humanas

Geografia, história, filosofia e sociologia dividem a primeira prova do Enem – e, com a interdisciplinaridade, podem aparecer juntas na mesma pergunta

Por: Vinícius Fernandes | Especial
18/09/2014 - 05h31min
Enem: confira dicas e estatísticas da prova de Ciências Humanas Edu Oliveira/Arte ZH
Saiba o que estudar para a prova de Ciências Humanas do Exame Nacional do Ensino Médio e faça um quiz online Foto: Edu Oliveira / Arte ZH

Considerado imprevisível por professores e alunos, o Enem, que será aplicado nos dias 8 e 9 de novembro, apresenta uma garantia: muita contextualização nas questões e muita transdisciplinaridade. Ou seja, o candidato pode encontrar numa pergunta de geografia um pouco de história e até mesmo de sociologia. Assim, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (Inep) elabora o Enem, desconstruindo o conceito formal de disciplinas dos tempos de colégios e as dividindo em Ciências da Natureza, Ciências Humanas, Códigos e Linguagens, Ciências Exatas e Redação.

QUIZ: teste seus conhecimentos para a prova de Ciências Humanas

Dando continuidade à série de reportagens sobre as provas do Enem, o ZH Vestibular apresenta hoje o teste de Ciências Humanas, que aborda geografia, história, filosofia e sociologia em 45 questões. Será a primeira metade do exame aplicado em 8 de novembro. Nesta prova, as perguntas têm caráter de conhecimentos gerais. Abordam movimentos históricos no país e no mundo, mas também fatos ocorridos no ano corrente.

– É quase uma radiografia das questões problemáticas no Brasil – classifica a professora de geografia do Grupo Unificado Vera Brandt.

:: Leia as últimas notícias sobre vestibular e Enem

Apesar de o Enem exigir atualização do candidato, professores ressaltam que a “avalanche de notícias” pode ser prejudicial na preparação para o exame.

– Às vezes, o aluno não tem o preparo para discernir o que é importante e o que não é. Ele é bombardeado por muitas informações e acaba se confundindo. A gente costuma orientá-lo “dá uma olhada neste jornal, nesta editoria, neste caderno”, senão ele quer ler tudo e acaba não conseguindo extrair dali o que a prova pode perguntar – explica Saul Chervenski, que leciona geografia no Unificado.

> Geografia
– A prova de geografia preza por um lado social. Pela percepção de como a população está se posicionando, como está a educação, a saúde. Então é uma prova bem politizada – resume Alexandre Rosa, professor de geografia do Anglo Vestibulares.

Em sua afirmação, Rosa lembra da interdisciplinaridade da prova. Quem for fazer o exame pode esperar por questões sobre a interferência humana em ecossistemas, como o desmatamento na Floresta Amazônica, ou dinâmicas populacionais, tal qual a migração de haitianos e africanos em cidades do interior gaúcho – tema atual e lembrado com frequência por professores.

Como estudar assuntos distintos, mas que podem se correlacionar na mesma prova?

– Quando cito a geografia na Amazônia eu já trato a questão dos solos, da interferência do homem na mineração, do uso de mercúrio, do fenômeno El Niño. O aluno tem que se acostumar a lincar questões e fazer um exercício crítico sobre o tema – aconselha a professora de geografia do Grupo Unificado Vera Brandt.

Além desses temas, há boas possibilidades de os candidatos encontrarem questões relacionadas às taxas de mortalidade e natalidade e a problemas ambientais como efeito estufa e aquecimento global.

QUIZ: teste seus conhecimentos para a prova de Ciências Humanas

> História
Se ainda não começou a estudar o passado do Brasil, corra para a biblioteca mais próxima enquanto há tempo. Como bem resumiu o professor do Universitário Davi Ruschel, “o Enem quer um aluno que conheça a história do seu país”.

Analisando as três últimas provas do exame, o site Universia constatou que questões sobre a história brasileira apareceram pelo menos 12 vezes. No levantamento, também concluiu que nove questões tratavam de movimentos sociais – a maioria sobre mobilizações no Brasil.

Tempo, cotas, TRI: estudantes tiram dúvidas sobre as provas do Enem

– O Enem tem cobrado muitas questões de direitos das minorias, direitos dos homossexuais e das mulheres. Os alunos têm de conhecer as constituições do Brasil. Direitos trabalhistas, de votos, dos trabalhadores, períodos de democracia e autoritarismo militar – lembra Ruschel.

Retomar períodos da história brasileira é uma boa forma de se problematizar o país. Por isso professores aconselham estudantes a refletir sobre temas como o cinquentenário do golpe militar, que pode aparecer no Enem 2014.

– O Enem está exigindo que o estudante saiba dialogar as partes, que seja interdisciplinar. O próprio professor precisa se aprofundar em outras áreas. O professor de história, por exemplo, precisa conhecer filosofia e sociologia para conseguir entrar em certas áreas – aponta Felipe Pimentel, professor de história do Grupo Unificado.

QUIZ: teste seus conhecimentos para a prova de Ciências Humanas

> Filosofia e Sociologia
Essas não são disciplinas semanais na grande maioria dos cursinhos, mas representam parcela significativa na prova e podem determinar o ingresso em uma universidade pública. Debates éticos sobre o papel da televisão no Brasil, religião e trabalho norteiam as questões de sociologia. Na filosofia, o buraco é mais embaixo.

– Nas últimas edições é possível citar referências a grandes filósofos, como Kant, Maquiavel e Montesquieu. Talvez os autores sejam alterados, mas essa tem sido a tônica. A prova de filosofia deixou de ser só interpretação de texto, exige conhecimento filosófico – afirma o professor do Unificado Thiago Cruz, que também aconselha os candidatos a estudarem Rousseau, Hobbes e Locke.

– Selecione as últimas três edições das provas, pegue os autores mais cobrados e leia seus pensamentos, estude sua história em livros introdutórios. Os candidatos têm de ter em mente que o Enem quer saber o que os autores representaram para a sociedade ocidental – completa Thiago.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.