Beldades gregas

Renovadas, as Cariátides voltam a brilhar em Atenas

Há dois anos e meio, os funcionários do Museu da Acrópole vêm limpando as colunas jônicas com formas femininas

06/08/2014 | 09h02
Renovadas, as Cariátides voltam a brilhar em Atenas Eirini Vourloumis/NYTNS
Cinco Cariátides ficaram em exposição em junho depois da repaginada moderna Foto: Eirini Vourloumis / NYTNS

Há 2,5 mil anos as seis irmãs se erguem, impassíveis, no topo da Acrópole, mesmo com as chamas causadas por guerras ardendo à sua volta, as balas tocando de raspão suas túnicas e as bombas deixando marcas em seus corpos curvilíneos. Quando uma delas foi "sequestrada", no século 19, diz a lenda que o choro das outras cinco pôde ser ouvido durante a noite.

Só recentemente, porém, as famosas Cariátides, entre outras grandes divas da Grécia antiga, tiveram a chance de se revelar em toda a sua glória.

Há dois anos e meio, os funcionários do Museu da Acrópole vêm limpando as "moças", ou melhor, as colunas jônicas com formas femininas que se acredita terem sido esculpidas por Alcamenes, aluno de um dos maiores artistas da época, Fídias. Sua função inicial era servir de base para parte do Erecteion, templo sagrado próximo ao Partenon consagrado aos primeiros reis de Atenas e aos deuses Atenas e Poseidon. Em 1979, as originais foram substituídas por reproduções para que pudessem ser mantidas em segurança e hoje são atração dentro do museu.

Esculturas são alvo de disputa

Com os séculos, uma camada escura de fuligem passou a esconder sua beleza, mas agora recuperaram o brilho original do mármore graças a uma tecnologia a laser especialmente desenvolvida para esse fim.

Cariátides originais da Acrópole foram substituídas por cópias
Foto: Eirini Vourloumis, The New York Times


Para coincidir com o quinto aniversário do museu, cinco delas ficaram em exposição em junho, resplandecentes depois da repaginada moderna. A sexta está instalada no Museu Britânico, em Londres, que a adquiriu quase dois séculos atrás, depois de Lorde Elgin, embaixador britânico para o Império Otomano, tê-la cerrado do pórtico do Erecteion, além de reunir um sem-fim de adornos do Partenon para decorar sua mansão na Escócia antes de vender as peças para pagar suas dívidas.

>>> Leitores destacam roteiros para conhecer a Grécia
>>> Leia mais sobre viagem e turismo

Durante muito tempo, as autoridades gregas e britânicas travaram uma briga pela devolução daqueles que ficaram conhecidos como os "Mármores de Elgin", disputa que voltou a esquentar há pouco tempo, depois que George Clooney, Matt Damon e Bill Murray se mostraram a favor da devolução das esculturas durante promoção em Londres do filme Caçadores de Obras-Primas — atitude que gerou um verdadeiro alvoroço no Reino Unido, que insiste em dizer que Elgin salvou as peças da destruição e as adquiriu legalmente.

E a polêmica pode reacender em breve, já que o Museu Britânico planeja uma exibição sobre o corpo humano na escultura grega no início do ano que vem usando algumas das estátuas do Partenon.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.