Um roteiro pela Índial

Conheça Nova Délhi, a capital pluricultural da Índia

Nossa repórter foi à Índia realizar o sonho de decifrá-lo e, depois de 30 dias, voltou ainda mais intrigada com esse lugar cheio de peculiaridades

Por: Janaína Kalsing
13/09/2016 - 03h04min | Atualizada em 13/09/2016 - 03h04min
Conheça Nova Délhi, a capital pluricultural da Índia Ariel Camargo/Arquivo Pessoal
Foto: Ariel Camargo / Arquivo Pessoal

Prepare-se para um encontro marcado com um cenário pluricultural. Se de um lado você desembarca no moderno Aeroporto Internacional Indira Gandhi e pega um confortável e limpo metrô até o coração da cidade, a próxima parada será de ruelas insanas, onde bicicletas, tuk-tuks, carretas, vacas e pessoas se cruzam incessantemente. E, pasme: ainda assim, parece estar tudo dentro de um relativo caos organizado.

A capital do segundo país mais populoso do mundo congregada jovens, burocratas, transeuntes, doentes, todos juntos e misturados. Mas em Délhi também há recantos menos agitados, já que paz e tranquilidade é quase impossível. É o caso do Gurudwara Sis Ganj Sahib, templo situado em umas das ruas mais peculiares da velha Délhi, a Chandni Chowk Road. O templo é um reduto do sikhismo, religião monoteísta do século XV, que reúne elementos tanto do hinduísmo quanto do islão. Lá dentro, todos recebem lenços para cobrir a cabeça e é servido ao público o "karah prasad", iguaria sagrada feita à base de farinha, açúcar e manteiga. Todos os participantes comem juntos, sem distinção de casta ou crença religiosa.

Confira o roteiro completo:

A dura Calcutá
Ioga e espiritualidade na sagrada Varanasi
Rajastão, terra dos marajás
A cultural e fervilhante Mumbai
Bangalore, uma agradável confusão
Goa, um pedacinho de Brasil
Auroville, mística e mágica

A cidade abriga também construções belíssimas, como a Tumba de Humayun, o Qutb Minar, o Red Fort, o templo Lótus, o Portão da Índia e o singelo memorial instalado na casa onde Mahatma Gandhi foi assassinado, em 1948.

Gurudwara Sis Ganj Sahib é um reduto do sikhismo, religião monoteísta do século 15 Foto: Ariel Camargo / Arquivo Pessoal

No Humayun, dedique um bom tempo para observar a obra que serviu de inspiração para o Taj Mahal. Se for mais ao final do dia, corre o risco de ver um pôr do sol deslumbrante no local.

Mas, para ser sincera, o mais legal é se perder pela cidade. Circulando a pé, você depara com templos, aprecia os sons e aromas da cidade, tem a possibilidade de experimentar comidas exóticas e saborosas. Mas, fica o alerta: preste atenção se o local tem as mínimas condições de higiene. Não são poucas as histórias de intoxicação alimentar.

Entrada do Taj Mahal, em Agra  Foto: Ariel Camargo / Arquivo Pessoal
Belo e fascinante, o Taj Mahal é considerado a maior prova de amor do mundo Foto: Ariel Camargo / Arquivo Pessoal
Taj Mahal Foto: Ariel Camargo / Arquivo Pessoal

A 200 quilômetros da Capital fica Agra, cidade do Taj Mahal. Belo e fascinante, é considerado a maior prova de amor do mundo — foi construído pelo imperador Shan Jahan, em homenagem a sua esposa favorita, Aryumand Banu Begam, que morreu após dar a luz ao seu 14º filho. 


=SiteZH&utm_medium=banner- materia&utm_campaign=banner-materia-viagem'>


 






 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.