Superação

Como a dança pode ajudar mulheres no tratamento de câncer

Oficina OncoDance é gratuita e busca resgatar a qualidade de vida de mulheres que têm ou já tiveram a doença

14/08/2015 - 12h22min
Como a dança pode ajudar mulheres no tratamento de câncer Júlio Cordeiro/Agencia RBS
Foto: Júlio Cordeiro / Agencia RBS  

Luvas vermelhas foram escolhidas para destacar o figurino preto que elas usam para dançar kizomba — ritmo originário de Angola. Vítimas de câncer, as mulheres do grupo OncoDance acompanham com o olhar cada movimento delicado feito pelas mãos que se entrelaçam ao final da coreografia, simbolizando uma causa: dançar para viver melhor.

— Depois de receber o diagnóstico de câncer, muitas mulheres perdem a vontade de seguir em frente e passam a não existir mais. Mas a dança mostra que é possível ter qualidade de vida mesmo em tratamento — diz a pedagoga Sonia Maria Melnik, vítima de câncer de pâncreas, que participa do grupo desde a primeira aula.





Motivada pela pesquisa que mostrou como a dança interfere na qualidade de vida da mulher com câncer de mama, realizada pelo Laboratório de Bioética do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Cristina Soares Melnik deu continuidade aos estudos na área e os estendeu para mulheres com qualquer tipo de câncer. Graduada em Psicologia e especialista em dança, a professora descobriu que essas mulheres poderiam ter a percepção da dor diminuída com a ajuda de movimentos corporais, o que poderia resgatar o bem-estar durante e após os tratamentos.

— O câncer e as formas de tratar estão relacionados a muitas perdas, como a do cabelo, que prejudica a autoestima. Por meio da dança, é possível resgatar a confiança e a qualidade de vida das mulheres — afirma a psicóloga.

Em 16 de outubro de 2014, Cristina orientou, no Teatro Hebraica, a primeira aula da oficina gratuita para mulheres que já tiveram ou têm câncer. As aulas voluntárias, ministradas em espaços cedidos, foram divulgadas em jornais e no Facebook e, no mesmo mês em que a iniciativa foi idealizada, os primeiros convites para participar de eventos e mostras de dança começaram a surgir.

A falta de patrocínio não desestimulou as alunas, que abraçam as despesas para poder compartilhar a terapia da dança com mais pessoas.

Bailarinos russos levam dança e alegria para crianças do Instituto do Câncer Infantil
Terapias-alvo tentam tornar combate ao câncer mais preciso
Menino deixa o cabelo crescer para fazer perucas para crianças com câncer

Destaque no Prêmio Açorianos

A história do OncoDance serviu de exemplo para que superação fosse o tema representado pelas mulheres por meio de passos na Mostra de Dança Dançando Sentimentos. Ainda em 2014, o grupo ganhou o Prêmio Açorianos de Dança, em categoria destaque.

— Esse trabalho traz um novo olhar sobre a doença, por parte das pacientes e também das famílias e de amigos, que têm a oportunidade de assisti-las nas apresentações — afirma Cristina.

Entre aulas, ensaios, apresentações e palestras, a professora e as alunas também se dedicam a produzir um livro que pretende inserir a dança para mulheres vítimas de câncer. OncoDance — sem previsão de lançamento — irá abordar os benefícios da dança para o tratamento e a superação da doença e será escrito por especialistas, com espaço destinado a depoimentos das alunas. Cada uma terá um capítulo para contar a sua história.

— Eu já escrevi a minha parte e já coloquei até título: “Dançando durante a quimioterapia” — conta Sônia, que falará sobre como a dança alivia não apenas a dor física, mas também a psicológica.

As 12 alunas fazem da sala multiuso da Faculdade Sogipa (Avenida Benjamin Constant, 80, bairro São João, em Porto Alegre) um espaço para resgatar a autoestima e reestabelecer vínculos sociais. Embora as aulas de uma hora ocorram normalmente uma vez na semana, atividades extras são feitas aos finais de semana, quando o convite para arriscar alguns passos se estende a amigos e familiares. Atualmente, a faixa etária das mulheres do OncoDance é de cerca de 50 anos. Mas o grupo está aberto a mulheres de qualquer idade que já tiveram ou têm câncer.

Quer saber mais?
Cristina Soares Melnik
(51) 9118-6965 ou 9927-4973
crismelnik@gmail.com

Leia mais matérias sobre saúde e bem-estar

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.