Versão mobile

No limite

Pesquisa da Unisinos avalia nível de estresse em professores do ensino privado

Mais da metade dos docentes consultados estão estressados

02/05/2012 | 11h03
Pesquisa da Unisinos avalia nível de estresse em professores do ensino privado Claudio Vaz/Agencia RBS
Duplas jornadas, salas superlotadas e alunos que não respeitam limites estão entre as razões Foto: Claudio Vaz / Agencia RBS

No início de outubro de 2011, professores do ensino privado fizeram uma greve diferente: descansaram no fim de semana. O que poderia parecer irreverência era sintoma de algo agora comprovado cientificamente: a categoria está cansada, estressada, doente.

Para chegar a essa constatação, foi realizada a pesquisa Avaliação do Nível de Estresse em Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul. Pesquisadores do Departamento de Pós-graduação em Psicologia da Unisinos ouviram 202 docentes.

A prevalência de estresse na amostra estudada foi de 58,4%. Os sintomas que mais se destacaram foram o cansaço excessivo e a tensão muscular.

Muito trabalho, duplas ou triplas jornadas, salas de aula superlotadas e alunos que não respeitam limites estão entre as razões da enfermidade coletiva.

— A educação poderá ser prejudicada. Este professor está apresentando um sofrimento e prejuízo na sua saúde — diz a doutora Janine Kieling Monteiro, coordenadora da pesquisa.

Os pesquisados atuam na Educação Infantil, nos níveis Fundamental e Médio e na Educação Superior na Capital e em Caxias do Sul, Passo Fundo, Santa Maria, Pelotas, Canoas e São Leopoldo. Os participantes têm entre 25 e 70 anos.

Para Liliane Vieiro, coordenadora do Sinpro/Caxias, a pesquisa confirma o alerta feito pelos sindicatos, de que é urgente reduzir o número de alunos por turma e o número de turmas por docente.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.