Versão mobile

Por uma outra terapia

Uso de vitamina D no tratamento de esclerose múltipla inspira documentário

Jornalista portador da doença dirigiu vídeo retratando a experiência de pacientes beneficiados

16/05/2012 | 06h32
Uso de vitamina D no tratamento de esclerose múltipla inspira documentário Shutterstock/Yakobchuk Vasyl
Doença compromete o sistema nervoso Foto: Shutterstock / Yakobchuk Vasyl

A bem-sucedida terapia com uso de vitamina D no tratamento de esclerose múltipla inspirou o jornalista — e portador da doença — Daniel Cunha a produzir um documentário retratando a experiência de cinco pacientes que tem se beneficiado da nova abordagem. O vídeo independente Vitamina D — Por uma outra terapia foi publicado na site vitaminadporumaoutraterapia.wordpress.com em abril e já registra mais de 15 mil visualizações.

Desenvolvido no Brasil em 2003, pelo neurologista Cícero Galli Coimbra, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o tratamento consiste na reposição de vitamina D. Segundo o médico, cerca de 70% das pessoas que sofrem de esclerose múltipla apresentam níveis muito baixos desse nutriente, o que se correlaciona com uma frequência maior de manifestações (surtos) e com sequelas neurológicas mais acentuadas após cada ocorrência.

Desde então, a experiência clínica de Coimbra com mais de 700 pacientes de esclerose múltipla no país tem apresentado quadros de estabilidade da doença, regressão de sequelas — como o retorno às atividades físicas — e até mesmo melhoras em lesões no cérebro e na medula, reveladas por ressonâncias magnéticas. O mesmo protocolo é eficaz no tratamento de outras doenças autoimunitárias, como artrite reumatoide, lúpus, psoríase, vitiligo, diabetes do tipo 1 e hipotireoidismo.

No caso da esclerose múltipla, a terapia com vitamina D dispensa o uso dos medicamentos convencionais. Entre os principais, estão os chamados interferons e o acetato de glatiramer. As injeções podem custar entre R$ 2 e 10 mil mensais, mas os remédios também são oferecidos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). No entanto, eles diminuem as manifestações da doença em apenas 30%. Além disso, apresentam recorrentes efeitos colaterais.

A esclerose múltipla é uma doença inflamatória crônica autoimune, causada por motivos genéticos ou ambientais, que compromete a função do sistema nervoso. Em geral, a doença acomete pessoas jovens, entre 20 e 30 anos, e provoca dificuldades motoras e sensitivas.

Veja o documentário e saiba mais sobre a doença e o tratamento:

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.