Versão mobile

Neurociência

Entenda como se desenvolve o cérebro dos bebês

Pesquisas mostram como estimular o desenvolvimento cerebral desde os primeiros meses de vida

26/06/2012 | 11h07
Entenda como se desenvolve o cérebro dos bebês Stock Images/Stock Images
Crianças começam a identificar objetos ao redor e distingui-los de outros estímulos visuais bem cedo Foto: Stock Images / Stock Images

A pesquisadora americana Lisa Freund, neurocientista na instituição The Eunice Kennedy Shriver National Institute of Child Health and Human Development (Nichd), nos Estados Unidos, explica, em entrevista, como o cérebro dos bebês se desenvolve nos primeiros dois anos e como os pais podem estimulá-lo. Confira abaixo:

Como o cérebro se desenvolve nos dois primeiros anos?

Lisa Freund — O cérebro humano passa por um crescimento rápido e intenso nessa fase. As células (os neurônios) se conectam por meio de axônios e dendritos. Essas conexões aumentam intensamente durante esse período da vida do bebê. Elas são realizadas por predeterminação genética, mas também como resultado das experiências pelas quais o bebê passa. A produção de mielina, substância grossa e gordurosa que ajuda a aumentar a velocidade com que os neurônios se comunicam, também aumenta rápido. O cérebro do bebê está desenvolvendo mais estruturas de conexões, e essas conexões resultam em rápido desenvolvimento. Quer dizer, os seres humanos nascem com muito mais neurônios do que quando o cérebro atinge a maturidade. Neurônios e qualquer conexão neural que não for estimulada vão morrer. O cérebro do bebê é esculpido pelas experiências dele e do ambiente em que ele vive.

Como esses bebês veem o mundo ao redor?

Lisa — Muitos estudiosos descreveram o cérebro dos bebês como capaz de organizar naturalmente as percepções do mundo à volta. Isso ocorre por meio da estimulação auditiva a que os bebês estão expostos, particularmente a linguagem falada. Com poucos meses de idade, o bebê consegue identificar fonemas de todas os idiomas do mundo, mas, por volta de 10 a 12 meses, ele consegue apenas identificar a língua falada à volta dele porque esses são os padrões de linguagem a que ele está acostumado. As crianças começam a identificar objetos ao redor e distingui-los de outros estímulos visuais bem cedo. Um dos processos que ajudam os bebês a organizar as informações visuais é a habilidade deles de separar a percepção do que é objeto estático do que é objeto em movimento.

Por que os bebês imitam os adultos?

Lisa — A habilidade de imitar é um processo importante. Bem cedo, essa imitação pode ser verificada em expressões faciais e movimentos (exemplo: mostrar a língua quando vê um adulto fazendo o mesmo para ele) ou imitações de movimentos complexos com objetos, como brinquedos. A imitação também está envolvida com o processo de aprendizagem social e se dá a partir da observação. Estudos mostraram que bebês com menos de um ano podem fazer imitações mesmo 24 horas após ver a performance de um adulto com um brinquedo ou objeto. Esse resultado indica que os bebês são capazes de desenvolvimento social já bem cedo.

De que forma os adultos podem estimular os bebês a falar e se movimentar?

Lisa — Pesquisas sobre desenvolvimento mostraram que a melhor forma de os adultos estimularem a fala e o movimento das crianças se dá a partir de brincadeiras e, claro, da leitura, mesmo que para os mais novinhos. Essa última atividade se mostrou uma importante precursora para o estímulo da leitura. Mesmo quando um adulto está falando com o bebê enquanto faz outras atividades do dia, como limpar a casa, passear no shopping ou outras, ele está estimulando a fala e o desenvolvimento cognitivo no geral. Adultos não devem presumir que os bebês não estão aprendendo se não entenderem tudo o que estão falando. As crianças também precisam se mexer. Nesse momento, eles também usam o cérebro para resolver questões do movimento. Quer dizer, movimentar-se está intrinsecamente ligado ao desenvolvimento cognitivo no bebê.

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.