Versão mobile

Confiança na cura

Fumante por mais de 40 anos, aposentada que venceu câncer de pulmão se considera uma sobrevivente

Professora de Pelotas enfrentou sessões de radioterapia e quimioteria até chegar à cirurgia

16/06/2012 | 07h12
Fumante por mais de 40 anos, aposentada que venceu câncer de pulmão se considera uma sobrevivente Nauro Júnior/Agencia RBS
Maria Helena Salaberry superou a doença Foto: Nauro Júnior / Agencia RBS

Um complicador para a cura do câncer de pulmão é o fato de que praticamente todos os portadores da doença, por serem fumantes antigos, têm sintomas de bronquite e enfisema, sintomas que muitas vezes se superpõem. Por isso, é preciso estar alerta para sintomas como escarro com sangue, tosse forte, pneumonia de repetição e dor torácica.

Rio Grande do Sul é líder em mortes por câncer de pulmão no Brasil

Quem alerta é o médico José Jesus Camargo, cirurgião torácico no Hospital Pereira Filho da Santa Casa de Misericórdia, em Porto Alegre. Com mais de 2,5 mil casos operados de câncer de pulmão, Camargo explica que o baixo grau de suspeição médica interfere no diagnóstico tardio:

— Profissionais que trabalham em hospital de referência estão habituados ao constrangimento de receber pacientes com neoplasias avançadas — lamenta.

A professora aposentada Maria Helena Salaberry (foto), de 75 anos, veio de Pelotas para ser atendida e operada por Camargo. Com o diagnóstico de um câncer, em 2007, passou por 45 sessões de radioterapia e 12 de quimioteria até chegar à cirurgia.

Fumante por mais de 40 anos, a aposentada se considera uma sobrevivente.

— O que posso dizer é que as pessoas devem ter confiança e esperança. Meu conselho é: procure o médico o quanto antes.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.