Rigidez muscular

Congresso de neurologia debate uso de toxina botulínica no tratamento de distúrbios do movimento

Tratamento, oferecido pelo SUS, pode beneficiar pacientes que sofreram AVC, paralisia cerebral ou esclerose múltipla

03/08/2012 | 06h35
Congresso de neurologia debate uso de toxina botulínica no tratamento de distúrbios do movimento Edson Costa/Agencia RBS
Toxina botulínica é conhecida pelo nome comercial da marca Botox Foto: Edson Costa / Agencia RBS

O uso da toxina botulínica tipo A no tratamento da rigidez excessiva da musculatura de pacientes que sofreram AVC, traumas na medula, paralisia cerebral ou são portadores de esclerose múltipla será debatido por médicos durante o 25º Congresso Brasileiro de Neurologia, que ocorre em Goiânia, de 4 a 8 de agosto.

Chamada espasticidade, a sequela comum em pacientes com problemas no sistema nervoso central faz com que o indivíduo apresente dificuldades no movimento e, quando não tratada, pode resultar em contratura permanente do músculo, levando a uma maior incapacidade, dor e deformidade. Dependendo da severidade e localização da espasticidade, os pacientes podem precisar de assistência para tomar banho, vestir-se, limpar-se, comer ou até andar.

A aplicação de toxina botulínica do tipo A pode ser indicada no tratamento, pois ajuda a reverter a rigidez muscular.

— Acredito que um ponto importante a ressaltar é o alívio da dor, principalmente em crianças. Muitas mães relatam que os filhos apresentam uma tranquilidade maior e passam a ter também um sono melhor após a aplicação da toxina botulínica, pois estamos tratando a espasticidade e o relaxamento daquele músculo afetado — explica o neurologista Nasser Allan.

Segundo o médico, com o uso da toxina botulínica tipo A, há um ganho no processo de reabilitação, que poderá fazer com que a volta dos movimentos seja normalizada o quanto antes.

O tratamento com a toxina botulínica tipo A para espasticidade é oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e existem diversos centros especializados pelo país para a realização da aplicação.

Sobre a toxina botulínica

:: A aplicação da toxina botulínica ficou famosa no mundo todo pela indicação cosmética, no tratamento das rugas de expressão. No entanto, a substância foi descoberta para o tratamento terapêutico e aprovada em 1989 pelo FDA, órgão de vigilância sanitária dos Estados Unidos, como uma alternativa para tratar o estrabismo.

:: No Brasil, a toxina botulínica de marca comercial Botox, fabricada pela Allergan, recebeu autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para fins terapêuticos em 1992. Hoje, a marca possui nove indicações aprovadas no país: distonia, estrabismo, blefaroespasmo, espasmo hemifacial, linhas faciais hipercinéticas, espasticidade, hiperidrose, bexiga hiperativa e migrânea crônica, popularmente conhecida como enxaqueca crônica.

:: Botox é a marca comercial do produto fabricado pela empresa Allergan. Por se tratar de um produto biológico, possui características específicas, como dosagem, tempo de resposta terapêutica, duração de efeito e indicações aprovadas, devido ao processo de fabricação, tipo de cepa utilizada e envase.

:: Outras marcas de toxina botulínica presentes no mercado brasileiro possuem diferentes indicações, efeitos e dosagens aprovadas pela Anvisa, tanto no uso cosmético como terapêutico. Em função disso, cada toxina botulínica é considerada única. Por isso, Botox não deve ser utilizado como nome genérico desta classe de medicamento.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.
Imprimir