Proteja-se

Veja dicas de como cuidar da saúde do coração

Prevenção é fundamental para reduzir doenças cardiovasculares

12/08/2013 - 07h02min
Veja dicas de como cuidar da saúde do coração Walter Groesel/Stock.xchng
Foto: Walter Groesel / Stock.xchng  

As doenças cardiovasculares são responsáveis por 29,4% de todas as mortes registradas no país anualmente. A alta freqüência do problema coloca o Brasil entre os dez países com maior índice de mortes por doenças cardiovasculares. O relatório “Estatísticas da Saúde Mundial 2012“, lançado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), apurou dados de 194 países. Uma das conclusões foi o aumento do número de pessoas com pressão alta, diabetes e obesidade em todo o mundo.

O cirurgião cardiovascular do Instituto do Coração (INCOR), Roberto Rocha e Silva, esclarece importantes formas de cuidar do coração e ter qualidade de vida. Confira:

Falta informação sobre a prevenção de doenças cardiovasculares ou falta empenho da pessoa no cuidado da qualidade de vida?
Podemos aponter várias respostas para essa pergunta. As informações existem, mas primeiro o profissional tem que disponibilizar tempo para obtê-las. O profissional precisa tempo para transmitir este conhecimento e esclarecer as dúvidas dos pacientes. Isto tudo envolve custo e tempo que nem sempre está disponível no relacionamento entre o médico e pessoa assistida. A pessoa assistida tem que valorizar estas informações e se conscientizar que a opção pela saúde envolve esforço permanente.

O que mudou no diagnóstico e na indicação de tratamento com o aumento da expectativa de vida?
As doenças cardiovasculares aparecem após anos de descuido com eventuais fatores de risco: pressão alta, diabetes, colesterol alterado durante anos promovem o aparecimento progressivo de obstruções nas artérias. Após muitos anos, uma destas obstruções rompe e leva à manifestação agudo do infarto.

O diagnóstico mais importante é justamente o dos fatores de risco: para isso, basta o paciente comparecer ao médico, se possível, ainda na adolescência e manter seguimento de acordo com seu médico. Estas doenças são facilmente diagnosticadas e os novos tratamentos medicamentosos, quando necessários, são extremamente eficientes. Esta atuação evita ou retarda muito o aparecimento das obstruções, aumentando a longevidade e a qualidade de vida das pessoas.

Se a pessoa foi descuidada, o diagnóstico das obstruções já instaladas é realizado com equipamentos cada vez mais confiáveis e permitem o começo do tratamento clínico que hoje, de novo, é extremamente eficiente em evitar o progresso destas obstruções e sua eventual rotura. Com isso, diminuiu a chance de um infarto, prolongando-se a longevidade com qualidade do paciente.

O cigarro ainda é o maior vilão das doenças cardíacas?
É um fato conhecido que é uma quadrilha composta de sete bandidos: cigarro, obesidade, sedentarismo, colesterol, diabetes, pressão alta e fatores familiares. O que varia, para cada um de nós, é número de comparsas e quem se torna o chefe da quadrilha. Olhe bem para os três primeiros elementos: eles estão super relacionados com a vontade (ou falta de vontade) da pessoa.Os outros quatro são mais independentes desta vontade. A intensidade do fator de risco é que vai determinar a chefia da quadrilha para cada pessoa. É evidente que se alguém fuma dois maços por dia por 20 anos, será uma surpresa se ela não apresentar um infarto: nesse caso, o chefe da quadrilha é reconhecido imediatamente.

O relatório da OMS constatou que aumentou drasticamente o colesterol, diabetes e pressão arterial da população. Como diminuir esses índices?
Esses três fatores estão intimamente relacionados ao sobrepeso e ao sedentarismo. Hoje nós observamos cerca de 30% de sobrepeso nas escolas. Esse problema já dificulta de cara a atividade física. E o caminho para a instalação precoce e agressiva destas doenças está aberto. É urgente a instalação de políticas de saúde pública que orientem os pais a cuidarem de seus filhos em relação à educação alimentar e atividade física. Cabe aqui a intervenção obrigatória de médicos já nas escolas, pois mais da metade das pessoas acometidas, nem se dão conta de que estão com sobrepeso, e que isto caracteriza doença que pode gerar outras doenças.

Qual a importância da reeducação alimentar?
A reeducação alimentar atua diretamente em quatro dos sete fatores de risco. Primeiro, ajuda a manter o peso adequado (contra a obesidade); segundo, pode ajudar a controlar o colesterol; terceiro, é essencial no tratamento da diabetes; e finalmente, pode auxiliar no tratamento da pressão alta.

E os exercícios físicos?
Os exercícios físicos são importantíssimos, porque também atuam diretamente em três fatores de risco: ajudam a manter o peso adequado (sem obesidade); são essenciais no tratamento da diabetes, pois reduzem a resistência a insulina e podem auxiliar no tratamento da pressão alta. Mais ainda, os exercícios físicos praticados desde a infância, podem promover um aumento discreto do calibre das artérias do coração, que pode evitar ou adiaro perigo da obstrução se tornar significativa.

E se não for por nenhum outro motivo, é para poder comer sem culpa. Afinal, se você se exercitou forte, e desse modo participou da "caçada", tem direito ao prêmio.

Qual o futuro dessa geração de crianças obesas?
Infelizmente elas vão representar um grande custo social e econômico à sociedade sobre todos os aspectos. Elas terão uma chance maior de contrair as doenças que constituem os fatores de risco que levam ao infarto. Como estas doenças podem ocorrer mais precocemente, estas crianças têm maior probabilidade de morbidade (perda de qualidade de vida) e mortalidade quando ainda adultos jovens.

Quais as dicas para os adolescentes que comem muita comida industrializada, mas praticam esportes? Um hábito saudável neutraliza o outro?
Normalmente, os adolescentes que praticam muito esporte devoram as refeições. Mas quem está comendo excesso de comida industrializada provavelmente já não está fazendo tanto esporte quanto deveria. Alerta amarelo!

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.