Versão mobile

Atenção aos pequenos

Crianças com TDAH têm maior risco de obesidade e sedentarismo na adolescência

Pesquisa acompanhou 7 mil participantes dos oito aos 16 anos de idade

05/03/2014 | 16h31
Crianças com TDAH têm maior risco de obesidade e sedentarismo na adolescência Rodrigo Philipps/Agencia RBS
Incentivar a realização de atividades físicas em crianças com TDAH melhoraria problemas de comportamento e ajudaria a atingir um peso saudável Foto: Rodrigo Philipps / Agencia RBS

As crianças com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) são mais propensas a se tornarem adolescentes obesos e sedentários, de acordo com uma nova pesquisa.

O estudo, que acompanhou quase 7.000 crianças na Finlândia, descobriu que aqueles que tinham sintomas de TDAH aos oito anos também tinham chances significativamente maiores de serem obesos aos 16 anos. As que sofriam com os sintomas da doença também eram menos ativas fisicamente como adolescentes.

O TDAH afeta de 2% a 5% das crianças em idade escolar e jovens no Reino Unido e está relacionado ao baixo rendimento escolar. Os principais sintomas são desatenção, hiperatividade e impulsividade. A doença é complexa de ser diagnosticada, entretanto questionários de triagem podem precisar e dar uma indicação de forma mais acertada com base no comportamento de uma criança.

Nove por cento das crianças do estudo que tiveram resultados positivos nas triagens de TDAH aos oito anos estavam em maior risco de obesidade aos 16 anos.

— A obesidade é um problema crescente e temos de tomar cuidado com todas as crianças e jovens. Os resultados, porém, sugerem que é particularmente importante para crianças com TDAH. Parece que a falta de atividade física pode ser um fator chave. Achamos que incentivar as crianças com TDAH a ser mais ativos fisicamente poderia melhorar seus problemas de comportamento, bem como ajudá-los a atingir um peso saudável— explica a professora Alina Rodriguez, da School of Public Health at Imperial College London.

A compulsão alimentar, que também foi investigada como um possível fator que poderia contribuir para a ligação com a obesidade, não foi prevalente em crianças portadoras da doença.

De acordo com a Public Health England, estima-se que 28% das crianças com idade entre 2 a 15 anos estão com sobrepeso ou são obesas. A obesidade na infância e na adolescência está ligada a uma grande variedade de riscos para a saúde a curto e longo prazo, incluindo diabetes tipo 2, doenças cardíacas e circulatórias, e as condições de saúde mental.

O estudo utilizou questionários preenchidos pelos pais e professores para avaliar 6.934 crianças com tendências para o TDAH e sintomas de transtorno de conduta em idades de oito e 16 anos. Os índices de massa corporal foram calculados com base em relatos, por parte dos pais, da altura e peso de seus filhos aos sete anos. Aos 16 anos, os participantes realizaram exames de saúde que registraram suas novas medidas de altura, peso, cintura e quadril.

 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.