Transporte saudável

Conheça os riscos da bicicleta e saiba como evitá-los

Aumentam os ciclistas nas ruas e também as lesões causadas por um trânsito violento

Por: Jane E. Brody
28/02/2016 - 10h02min
Conheça os riscos da bicicleta e saiba como evitá-los Paul Rogers/The New York Times
Foto: Paul Rogers / The New York Times

Andar de bicicleta por lazer, esporte e transporte é uma atividade que explodiu nos últimos anos e é provável que continue crescendo, pois é cada vez maior o número de lugares que abrem ciclovias e começam programas de compartilhamento de bikes. Mas, como é de se esperar, com essa expansão há o aumento de lesões relacionadas ao ciclismo.

Embora haja alguma verdade no termo “segurança nos números” — isto é, o risco deve diminuir com o aumento no número de ciclistas e com os motoristas habituados a partilhar as ruas com eles — tanto uns quanto outros têm muita coisa a aprender. Infelizmente, ainda estamos engatinhando nesse aspecto.

Leia mais:
Mitos e verdades sobre as bicicletas no trânsito
Ir ao trabalho de transporte público é melhor para a saúde, aponta pesquisa japonesa
Estudo aponta que pessoas que vão de bicicleta ao trabalho são mais felizes
Carol Bensimon: uma nuvem do tamanho do Brasil


Em estudo recente, publicado no Journal of American Medical Association (Jama), é relatado um aumento de lesões e hospitalizações relacionadas ao ciclismo entre adultos no período de 1998 até 2013 no Estados Unidos. Com uma adequação à idade, os ferimentos relatados aumentaram 28% e as internações resultantes 120%. Houve também um aumento de 40% para 56% de acidentes que ocorreram nas ruas.

As lesões envolvendo braços e pernas diminuíram ao longo dos anos do estudo, mas houve um aumento nas mais graves: 60% para os ferimentos na cabeça e 20% para ferimentos no tronco. Essa é a má notícia. A boa, Benjamin Breyer, autor do estudo, explica:

— Os benefícios do ciclismo para o sistema cardiovascular e a sensação geral de bem-estar superam os riscos. Andar de bicicleta é uma maneira fantástica de passear por uma cidade. E é ótimo para aumentar a força muscular e o equilíbrio. Mas, as pessoas precisam aprender a andar com segurança.

É necessário acrescentar que ruas e estradas precisam ser mais seguras para a atividade — e mais motoristas têm de aprender a prestar atenção nos ciclistas que compartilham a mesma via e a tratá-los com todo o respeito, não como alvos.
Breyer, cirurgião urológico da Universidade da Califórnia, diz que uma das descobertas mais marcantes do estudo foi a mudança da faixa etária dos ciclistas feridos nos Estados Unidos.

— Andar de bicicleta é hoje muito mais popular entre as pessoas com mais de 45 anos — afirma ele, acrescentando que os mais velhos agora apresentam um índice desproporcional no número e na severidade dos ferimentos.

O interesse de Breyer nos acidentes de bicicleta foi estimulado em parte pelo grande número de lesões genitais e do trato urinário que encontrou entre os ciclistas, muitas vezes causadas por batidas no guidão ou na barra da bicicleta após uma queda. Em outro relatório, ele e alguns colegas descobriram que as bicicletas estavam envolvidas em cerca de um terço das lesões genitais ou urinárias em crianças e adultos, mais do que em qualquer outro esporte.

Outros pesquisadores, como John Pucher e Lewis Dijkstra, lamentaram “as condições inseguras enfrentadas por ciclistas na maioria das cidades americanas”. “Por quilômetro e por trajeto, os ciclistas americanos têm o dobro de probabilidade de morrer em comparação com os ciclistas alemães e três vezes mais que os ciclistas holandeses”, escreveram. Infelizmente, os dados não falam da realidade brasileira.



Leia mais notícias sobre saúde

 






 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.