Saúde

Entenda os efeitos do frio no corpo 

Temperaturas extremas impõem ao organismo um estresse físico e o submete a uma necessidade de mais energia 

Por: Eduardo Rosa
10/06/2016 - 03h00min | Atualizada em 10/06/2016 - 03h00min
Entenda os efeitos do frio no corpo  Tadeu Vilani/Agencia RBS
Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS  

Ele já se tornou o assunto principal das conversas de elevador e filas de espera, invadiu os memes nas redes sociais e fez os termômetros marcarem temperaturas abaixo de 0°C neste mês. Sim, estamos falando daquele frio de renguear cusco antes mesmo da chegada do inverno – oficialmente, a estação se inicia no próximo dia 20. E quem sinaliza que a friagem está realmente rigorosa é o nosso corpo, reagindo de várias formas: os pelos arrepiam, os lábios ressecam, infecções respiratórias se tornam mais comuns.

O cardiologista e professor titular da PUCRS Luiz Carlos Bodanese explica que o frio, principalmente quando súbito, impõe ao organismo um estresse físico, submetendo-o à necessidade de mais energia. Uma das respostas a isso é um discreto aumento na pressão arterial e do ritmo do coração, além da vasoconstrição periférica (vasos sanguíneos ficam mais estreitados, como forma de proteção à perda de caloria).

Leia mais:
RS deve voltar a registrar temperaturas negativas nesta sexta-feira
Moradores de São José dos Ausentes esbanjam disposição ao driblar temperaturas negativas

– O agasalho vai impedir que isso se torne um problema grave, porque podem haver situações extremas, como danos nos dedos, até uma necrose, se não for bem cuidado – afirma Bodanese. – Com o corpo agasalhado, o organismo é menos agredido, reage menos – acrescenta.

Maior incidência de infecções respiratórias também estão ligadas à chegada do frio. Conforme o médico infectologista Osvaldo Vitorino Oliveira, professor aposentado da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), isso ocorre porque há uma tendência de as pessoas ficarem mais confinadas. Portanto, o especialista indica que ambientes sejam mantidos arejados, e as pessoas evitem espaços muito cheios.

– O ideal seria manter o ambiente arejado sem que tivesse corrente de vento, além de fazer vacinas indicadas, como a da gripe. Grande parte das doenças respiratórias se transmite em uma área de contato de um metro e meio – explica Oliveira, salientando que gripe e resfriado são problemas muito comuns no inverno.

Outras reações corriqueiras são rachaduras nos lábios e ressecamento da pele das mãos – para isso, recomenda-se a hidratação com cremes. É importante frisar que nem todas as pessoas encaram o frio da mesma forma: a vivência acaba adaptando nosso corpo, não quer dizer que alguns têm "genética mais potente" do que outros.

Leia mais notícias

 






 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.