No Prato

Lenice Carvalho: detalhes que fazem a diferença

Comer como comia a minha avó seria ótimo se estivéssemos vivendo naquela época

13/02/2017 - 16h52min | Atualizada em 13/02/2017 - 16h53min

Apesar de ser muito falada, poucos entendem a importância da individualização na hora da prescrição alimentar. Me preocupa muito a massificação das informações, principalmente nas redes sociais.

Para combater os modismos, algumas pessoas dizem que toda "dieta" da moda é frescura e que devemos comer de tudo. Nada mais coerente do que pensar na variedade de nutrientes, mas nada mais incoerente pensarmos que somos todos iguais.

Nos últimos dias, circulou na internet um post encorajando as pessoas a comer de tudo um pouco. Como se todas as pessoas estivessem saudáveis e qualquer restrição alimentar fosse uma grande frescura. Como se os índices de obesos, celíacos, alérgicos, intolerantes e hipertensos não estivesse crescendo assustadoramente.

Comer como comia a minha avó seria ótimo se estivéssemos vivendo naquela época e com os mesmos alimentos. Pena que a carne que ela comia não existe mais, nem as frutas sem agrotóxicos e talvez o leite da vaca que ela ordenhava.

Não falo de modismos, pois se você está bem, segundo avaliação de um profissional, coma de tudo em doses adequadas para você. Mas não podemos correr o risco de generalizar informações e negligenciar sinais e sintomas, alterações bioquímicas etc.

É como pensar que o uso de um multivitamínico é bom para todo mundo. Pode ser pior usar do que não usar, pois você pode se beneficiar da oferta de alguns nutrientes e se intoxicar com outros na mesma formulação.

Sim, não somos todos iguais. Tem pessoas restringindo carne, leite, pão, frango, entre outros alimentos, porque alguém se beneficiou com isto, mas esse alguém não é você. Exatamente porque vira moda que cai em desconfiança, o que não significa que tudo seja frescura.

Varie sua alimentação ao longo do dia e da semana, evite consumir os mesmos alimentos apenas por praticidade, evite alimentos muito processados e industrializados e tenha bom senso. Mas, se você estiver fora de peso, com desconfortos, com exames alterados, algo que lhe faça pensar que não está bem, não acredite que seja frescura e pense que você não é igual a todos os outros. Um alimento pode ser muito saudável na essência, mas pode lhe fazer muito mal.

Leia outras colunas de Lenice Carvalho.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.