Carnaval

Veja os cuidados que se deve ter com as fantasias das crianças

Adereços e maquiagens podem causar alergias e até machucar a criançada. Especialistas apontam o que é preciso observar nas alegorias

10/02/2017 - 15h27min | Atualizada em 10/02/2017 - 15h27min
Veja os cuidados que se deve ter com as fantasias das crianças Ricardo Wolffenbüttel/Agencia RBS
Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Agencia RBS  

Vai levar a criançada para curtir o Carnaval? Então, fique atento para não estragar a brincadeira. Entre os principais aspectos a serem observados pelos pais antes e durante a folia estão maquiagem, fantasia, alimentação e segurança. Sobre a maquiagem, a regra básica é nunca utilizar os mesmos cosméticos aplicados nos adultos. 

Leia também:
Ei, você aí, não gasta dinheiro aí: veja dicas para um Carnaval mais barato
Glitter, unicórnios e emojis estão entre as tendências para o Carnaval mais pesquisadas na Internet
Carnaval de Rua de Porto Alegre terá 15 blocos; veja a programação

Segundo especialistas, o ideal é optar por produtos desenvolvidos especialmente para o público infantil e aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

— Sempre recomendo maquiagem infantil. A partir dos 10 ou 12 anos, até dá para se ter uma liberdade um pouco maior, desde que a criança não tenha histórico de alergias. Mas, até os 10 anos, só deve-se usar maquiagem infantil, com menos conservantes e corantes, o que faz com que os produtos sejam menos alergênicos — diz a dermatologista Juliana Fonte.

Segundo a secretária-geral da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) no Rio Grande do Sul, Ana Paula Manzoni, a utilização de cosméticos de adultos em crianças pode resultar em problemas de pele como a dermatite de contato, irritação que resulta em avermelhamento, inchaço, coceira, bolhas e dor na região atingida.

— Não se usa maquiagem de adulto em crianças. A textura da pele delas é diferente. Nestes casos, a chance de ocorrer alergia é maior. Existem opções próprias para maquiar crianças que são encontradas em lojas de artigos infantis e de festa — orienta.

Ana Paula destaca ainda que os pais precisam estar atentos ao uso de produtos como glitter, purpurina e pinturas no corpo dos pequenos foliões:

— Nas lojas de fantasias e roupas de festas, existem tintas e maquiagens especiais. Não se pode pegar uma tinta guache, fabricada para ser utilizada no papel, e colocar na face ou em qualquer outra parte da pele.

Sobre a maquiagem, aliás, uma boa notícia: a preocupação crescente dos brasileiros em relação à saúde das crianças vem contribuindo para que

o país ocupe a segunda posição no ranking mundial de consumo de cosméticos infantis. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), o país registrou um crescimento médio de 14% em um período de cinco anos, atingindo um faturamento de R$ 4,5 bilhões em 2014.

Adereços podem não ser tão inofensivos

Por ocorrer em uma época de temperatura geralmente elevada, o Carnaval pede roupas leves e confortáveis, tanto para adultos quanto para crianças. Para os pequenos, porém, ainda há de se levar em conta a questão da segurança. Crianças muito pequenas não conseguem discernir se a fantasia oferece algum tipo de risco, como peças que podem se soltar e serem aspiradas ou engolidas, acessórios capazes de causar cortes ou até mesmo máscaras que impeçam a respiração. Por isso, a atenção dos pais tem de ser redobrada.

— Os produtos utilizados por crianças devem ser cuidadosamente selecionados, com base nas indicações de uso, nas precauções e na idade recomendada, informações que devem estar nos rótulos, e precisam ser testados e aprovados pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) — afirma Ana Carolina Botelho de Barros, do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

Segundo a pediatra, crianças pequenas não devem usar determinados produtos, como sprays de espuma. Mesmo entre aquelas um pouco maiores, a utilização de itens como esse deve ser supervisionada por um adulto:

— Há risco de intoxicação em caso de ingestão. Então, a dica é ficar sempre atento e acompanhar as crianças durante a brincadeira.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.