Incentivo

Porto Alegre reúne especialistas para discutir a otimização da doação de órgãos

Transplantes esbarram em duas grandes barreiras: recusa familiar e manutenção do órgão

10/03/2017 - 15h21min | Atualizada em 10/03/2017 - 15h21min
Porto Alegre reúne especialistas para discutir a otimização da doação de órgãos Leonardo Lenskij / Divulgação/Divulgação
Coletiva teve a presença do coordenador do projeto, do Ministério da Saúde e da enfermeira espanhola Carmen Segovia Foto: Leonardo Lenskij / Divulgação / Divulgação  

Trabalhar a humanização e o acolhimento aos familiares de potenciais doadores é uma das grandes barreiras a ser transposta para melhorar os índices de transplantes no Brasil. Para discutir este e outros temas que envolvem a doação de órgãos, Porto Alegre sedia, até esta sexta-feira, o Encontro Nacional de Investigadores do Estudo Donors, projeto que busca otimizar os processos de doação.

Coordenado pelo Escritório de Projetos PROADI — SUS do Hospital Moinhos de Vento, em parceira com o Ministério da Saúde, o evento conta com a presença de profissionais de 70 instituições públicas e privadas, das Centrais Estaduais de Transplante e da Organização Nacional de Transplantes (ONT) da Espanha, país referência no assunto.

Leia mais:
Entenda a importância da doação de órgãos, gesto que pode salvar vidas

Em coletiva de imprensa realizada pela manhã, a coordenadora do Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde, Rosana Reis Nothen, explicou a iniciativa:

— O objetivo é enfrentar a recusa familiar e melhorar a manutenção de viabilização do potencial doador.

Ou seja, além de aprimorar a comunicação entre equipe hospitalar e familiares, ainda é preciso encarar desafios logísticos para transportar os órgãos e vencer as distâncias continentais do país.

Glauco Westphal, coordenador do projeto e médico intensivista, afirmou que o programa busca melhorar os processos em casos de morte encefálica — que é irreversível e acontece quando o cérebro deixa de funcionar, mas o restante dos órgãos segue trabalhando — e viabilizar mais transplantes.

— Percebemos a necessidade de um projeto para reduzir a perda de órgãos — disse.

Considerando os casos notificados de morte encefálica, hoje, o Brasil tem uma média de 45 potenciais doadores a cada milhão, número que precisa ser melhorado.

— Toda e qualquer suspeita de morte encefálica deve ser notificada na central de transplantes — defendeu Westphal.

Três pilares para ampliar os números

Referência mundial em transplantes de órgãos, a Espanha faz um grande trabalho de conscientização com a população. Lá, a enfermeira Carmen Segovia encabeça uma série de treinamentos que visam humanizar o tratamento dado aos familiares de potenciais doadores.

Foi ela quem expandiu o curso "Comunicación en Situaciónes Críticas", que tem como objetivo treinar as equipes de saúde para se comunicar de forma adequada com a família desses potenciais doadores.

Por sua vasta experiência, Carmen foi uma das convidadas para participar do encontro.

— A chave para vencer essas barreiras está nos profissionais. Temos bons hospitais, bons trabalhadores, mas tem que ter humanização — garantiu.

Segundo ela, a percepção que o familiar tem do atendimento hospitalar é fundamental para a decisão de doar ou não órgãos de um parente. Por isso, baseia seus conhecimentos em três grandes pilares: respeito, empatia e autenticidade.

— Eles não podem ser separados. Temos de ajudar as famílias e os profissionais da saúde — pontuou.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.