Dieta balanceada

Região Sul: três em cada quatro pessoas de classe alta não comem a quantia ideal de frutas e verduras

De acordo com pesquisa, 73% dos sulistas de classe A e B não conseguem ter uma alimentação equilibrada

Por: Zero Hora
10/05/2017 - 18h53min | Atualizada em 11/05/2017 - 17h35min
Região Sul: três em cada quatro pessoas de classe alta não comem a quantia ideal de frutas e verduras Divulgação/TODA FRUTA
Foto: Divulgação / TODA FRUTA  

Os brasileiros de classe A e B residentes na Região Sul têm uma alimentação menos saudável comparada com as demais regiões do país, conforme pesquisa realizada pelo Ibope Conecta em parceria com a Centrum Vitamints. Os dados coletados revelaram que 73% dos sulistas não costumam ingerir cinco porções diárias de frutas e verduras, ou seja, apenas uma em cada quatro pessoas consegue manter uma dieta saudável.

Em dias corridos, 52% dos brasileiros da Região Sul comem o que estiver disponível, de forma rápida, e 4% esquecem de comer. Só 28% dos sulistas se preocupam em incluir frutas e verduras no lanche rápido. Entretanto, as pessoas que moram nos Estados do sul do país coincidem com a média nacional no que diz respeito às mudanças de hábitos que consideram essenciais: em primeiro lugar mais exercícios físicos, em segundo, incluir mais frutas e verduras na alimentação e, em terceiro, dormir melhor.

Leia mais: 
Veja dicas que vão te ajudar a comer bem sem abrir mão do prazer 
Só 1 em 4 pessoas de grupo de risco tomou vacina contra a gripe no País
Saiba como evitar a bronquiolite, doença respiratória comum entre os bebês

Na média nacional, os brasileiros que mais se preocupam em manter uma alimentação balanceada na correria são as mulheres, a classe A e os nordestinos, que buscam incluir frutas, verduras e legumes mesmo quando comem lanches rápidos em dias atribulados.

— Ao procurarem alimentos rápidos, as pessoas nem sempre escolhem de forma correta o que vão comer. Um exemplo disso é quando chegam a um restaurante e pedem o que já está pronto e disponível no balcão, como um salgado, achando que esta é a opção mais rápida. Se elas gastarem um minuto a mais para olhar o cardápio, verão que há opções mais saudáveis que também podem ser rápidas — explica a nutricionista Andrea Forlenza.

De acordo com a especialista, os grandes obstáculos para adquirir hábitos saudáveis são as metas inatingíveis.

— É comum os pacientes chegarem para a consulta com ideias radicais de mudanças na alimentação ou prática de exercícios que não são reais e, quando percebem que não irão cumpri-las, acabam se frustrando e desistindo — afirma Andrea.

Pequenas mudanças

De acordo com a nutricionista, fazer pequenas mudanças na rotina diária pode ser o caminho para uma efetiva melhora na qualidade de vida. Ela cita algumas atitudes que ajudam na reeducação alimentar:

— Levar para o lanche frutas fáceis de consumir, como banana, maçã ou pera;

— Incluir pelo menos uma verdura, legume ou fruta nas principais refeições;

— Substituir refrigerantes por sucos naturais.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.