Gente

Morre o cartunista Sampaio

Artista, que trabalhou na Revista do Globo na década de 1940, foi um dos precursores da profissionalização da área no Rio Grande do Sul

Por: Zero Hora
12/01/2017 - 15h14min | Atualizada em 12/01/2017 - 15h18min
Morre o cartunista Sampaio Ver Descrição/Ver Descrição
O cartunista Sampaio, que trabalhou na redação da Revista do Globo e em diversos jornais do Rio Grande do Sul Foto: Ver Descrição / Ver Descrição  

O mundo do cartum está mais triste. Morreu nesta quinta-feira o cartunista José Miguel Pereira de Sampaio, o Sampaio. Segundo um post publicado nas redes sociais por sua filha, Maria Lucia Sampaio, o artista sofria de câncer no pulmão. Tinha 89 anos.

Sampaio era de São Luiz Gonzaga, onde nasceu no dia 27 de julho de 1927. Irmão mais velho do também cartunista Paulo Brasil Gomes de Sampaio, o Sampaulo (falecido em 1999), começou a carreira nos anos 1940 na Revista do Globo. Na publicação, especializou-se em desenhar cenas que retratavam determinados cotidianos – como uma feira livre, um junta de apuração, uma briga de bar ou um dia de verão.

Foto: reprodução / Divulgação

– O Sampaio tinha um traço muito simples, de muita graça e leveza – pontua o cartunista Santiago. – Ele sempre foi uma referência pra mim, tanto que entrei naquele estilo dele de desenhar cenas povoadas.

Neste cartuns, Sampaio antecipou a ideia da série de livros Onde está Wally?, repetindo certos elementos para que fossem encontrados pelo leitor. Entre as marcas registradas estavam um homenzinho urinando de costas, um gato preto e uma samambaia.

Leia mais
Morre o filósofo polonês Zygmunt Bauman, aos 91 anos


Sampaio trabalhou ainda para os jornais Diário de Notícias, Folha da Tarde e para as TVs Gaúcha e Difusora de Porto Alegre, deixando de lado a pena nos anos 1970. Aposentado do cartum, tornou-se servidor da Justiça Eleitoral, sendo diretor da Subsecretaria do Cadastro Geral de Eleitores.

Foto: reprodução / Divulgação

Para além de marcar época pelos seus desenhos, Sampaio é apontado como um dos grandes incentivadores da profissionalização do cartunista no Rio Grande do Sul. Santiago conta que Sampaio foi o primeiro a se colocar como cartunista profissional e a lutar pela profissionalização da área, o que acabou incentivando outros a fazerem o mesmo.

– Antes dele, ser cartunista era apenas um hobby. Mas é interessante notar que, com a internet, esse ciclo começado pelo Sampaio está terminando e voltamos a trabalhar praticamente de graça – lamenta.

Maria Lucia, filha de Sampaio, chegou a tentar lançar um livro com os trabalhos do cartunista em 2007, mas foi impedida pelo próprio pai. Em um blog, ela reuniu alguns dos trabalhos dele, que podem ser conferidos novamente.

A cerimônia de cremação de Sampaio está marcada para às 19h desta quinta-feira, no Cemitério São Miguel e Almas, em Porto Alegre.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.