Lado B clássico

Integrantes de Arcade Fire, Radiohead e The National lançam discos de música erudita

Assim como fizeram roqueiros do passado, uma nova geração está expandindo os horizontes

23/07/2014 | 08h03
Integrantes de Arcade Fire, Radiohead e The National lançam discos de música erudita Reprodução/Divulgação
Capa do disco "Music for Heart and Breath", de Richard Reed Parry Foto: Reprodução / Divulgação

Roqueiros que compõem música erudita não são exatamente uma novidade. Que fã não lembra do Concerto for Group and Orchestra, do tecladista do Deep Purple, Jon Lord, com a Royal Philarmonic Orchestra em 1969? Mas agora o fenômeno aparece como traço de uma geração. Influenciados por vanguardistas da segunda metade do século 20, como Steve Reich, John Cage e Olivier Messiaen, integrantes de bandas de rock contemporâneas estão encontrando na música de concerto uma forma de expandir seus horizontes.

É o caso de Richard Reed Parry, multi-instrumentista do Arcade Fire, que lançou, em junho, o disco Music for Heart and Breath, com obras para diversas formações, pela Deutsche Grammophon. Conhecido pelo rigor na seleção de seu elenco, que inclui a imbatível Filarmônica de Berlim, o selo havia colocado no mercado, em março, o álbum St. Carolyn by the Sea/Suite from "There Will Be Blood", com trabalhos individuais de Bryce Dessner e Jonny Greenwood, mais conhecidos como guitarristas da The National e do Radiohead, respectivamente. Dessner já havia tido composições gravadas, em 2013, pelo célebre Kronos Quartet no disco Aheym (pelo selo Anti), e Greenwood dividiu, em 2012, um álbum com seu mestre Penderecki pelo selo Nonesuch.

> Celso Loureiro Chaves analisa a música de concerto dos roqueiros

O desafio, agora, é enfrentar a resistência de parte do público. Comentários de leitores no site especializado Slipped Disc dividem-se entre boas-vindas aos jovens talentos e acusações de que as gravadoras estariam afrouxando seus critérios para tentar superar a crise da indústria fonográfica. Em depoimento a ZH, o CEO da Deutsche Grammophon, Mark Wilkinson, lembra que o selo tem tradição em trabalhar com artistas de outros gêneros musicais, como Sting e Elvis Costello:

– Muitos músicos de hoje têm formação clássica e trazem a música de concerto dentro de si, cruzando os gêneros com facilidade e empolgação. Estamos entusiasmados por trazer seus trabalhos para uma audiência ampla.

Já a crítica especializada está encarando a novidade com interesse. Richard Whitehouse escreveu na revista britânica Gramophone que o estilo "visceral e distinto" da The National está evidente na obra de Dessner, e Leo Chadburn afirmou no site Sinfini Music que o "experimentalismo delicado e tranquilo" de Parry está "a um mundo de distância da ansiedade tremeluzente" do Arcade Fire. Autor do livro Maestros, Obras-primas & Loucura, o crítico inglês Norman Lebrecht afirma a ZH que ouviu as composições de Jonny Greenwood, as quais considera "excelentes":

– Não acho que devemos nos preocupar demais com categorias. Na era do download, todo tipo de música é misturado no celular ou no notepad, e cabe ao ouvinte dar sentido ao que gosta e ao que gosta menos. Se a música é boa, não precisa ser rotulada como "clássica", "new age" ou qualquer outra coisa. E, se não é boa, nenhum rótulo conseguirá salvá-la.

TOP 7 Roqueiros eruditos:

Antes de Richard Reed Parry, Bryce Dessner e Jonny Greenwood, outros roqueiros apostaram na música erudita

Roger Waters
Em 2005, o ex-integrante do Pink Floyd lançou uma gravação de sua ópera Ça Ira, sobre a Revolução Francesa.

Frank Zappa
Zappa teve, na década de 1980, obras gravadas pelo lendário Pierre Boulez, regendo seu Ensemble InterContemporain, e pelo maestro Kent Nagano, à frente da Sinfônica de Londres.

Stewart Copeland
O ex-baterista do The Police estreou na ópera, em 1989, com Holy Blood and Crescent Moon, nos EUA. Hoje, tem quatro obras nesse formato.

Paul McCartney
Em 1991, o beatle compôs, em parceria com Carl Davis, o Oratório Liverpool, inspirado em sua biografia. Na seara erudita, lançou os discos Standing Stone (1997) e Working Classical (1999).

Jon Lord
Composto pelo tecladista do Deep Purple morto em 2012, o Concerto for Group and Orchestra colocou, lado a lado, a banda inglesa e a Royal Philarmonic Orchestra, em 1969.

Damon Albarn
O líder do Blur e do Gorillaz tem recebido boas críticas por suas óperas – Monkey: Journey to the West (2007), baseada em uma história chinesa, e Doctor Dee (2011), sobre o matemático elisabetano John Dee.

Rufus Wainwright
Há cinco anos, o cantor americano criado no Canadá estreou a ópera Prima Donna em Manchester. Hoje, trabalha em uma nova ópera em parceria com o dramaturgo Daniel MacIvor.

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.