Inovação

SPOILER ALERT: apesar da estreia morna, "Supermax" merece uma chance dos amantes de séries

Primeiro episódio do seriado gerou divisão entre o público

Por: Nathália Carapeços
21/09/2016 - 18h38min | Atualizada em 22/09/2016 - 14h37min
SPOILER ALERT: apesar da estreia morna, "Supermax" merece uma chance dos amantes de séries Estevam Avellar/Globo/Divulgação
Erom Cordeiro, Mariana Ximenes, Fabiana Gugli e Cleo Pires em "Supermax" Foto: Estevam Avellar / Globo/Divulgação

A estreia da série Supermax, da Globo, causou divisão no público. De um lado estão os que decidiram dar um voto de confiança à produção que marca a entrada da maior emissora aberta brasileira em um novo segmento, mix de terror, suspense e thriller. No extremo oposto estão os espectadores que já deram o veredito logo de cara: a história é clichê, o elenco é fraco e não vale a pena seguir adiante. ZH assistiu aos 11 episódios do seriado que estão disponíveis no Globo Play e pode adiantar: há inconsistências no enredo e na construção de alguns personagens, mas o desenrolar do pseudo-reality despertará muita curiosidade em quem continuar acompanhando a trama (se você não quer spoiler, é bom parar de ler por aqui).

Originalidade não é a melhor palavra para definir Supermax. A história faz referências claras a seriados como True detective, Lost e The walking dead — o que os criadores José Alvarenga Jr., Marçal Aquino e Fernando Bonassi já tinham adiantado em entrevistas. Mas o problema não é esse. Na verdade, a grande questão que surge já no morno primeiro episódio é sobre a escolha e a atuação do elenco. Para os que só assistiram à estreia, pode não ter ficado claro se a ideia era ter diálogos pobres e clichês, justamente pelo enredo tratar do primeiro dia de um reality show no qual 12 pessoas estão confinadas em uma prisão desativada na Amazônia, ou se o texto era realmente fraco e as atuações deixaram a desejar. Além disso, também causou estranhamento a participação de Mariana Ximenes e Cleo Pires em uma série que deveria ter prezado por um elenco completamente desconhecido do público de TV, para fazer jus ao mote do seriado.

Leia também:
Mariana Ximenes revela detalhes de sua preparação para série "Supermax"
"Supermax", da Globo, promete conquistar fãs de seriados com mix de gêneros

Conforme a história vai ganhando ritmo, a construção do texto melhora de leve  — os ganchos nos fins dos capítulos deixam o público bem curioso para os próximos passos dos confinados. Alguns personagens são decepcionantes, como a enfermeira Bruna de Mariana Ximenes. Macabra ao extremo, chega a ser caricata e fica deslocada na trama. A surpresa é Sabrina, vivida por Cleo Pires: carismática e misteriosa, a psicóloga ganha protagonismo e é a responsável por uma das cenas mais dolorosas (e bem feitas) do seriado. Entre os destaques positivos do elenco também está o gaúcho Ravel Andrade — ligado ao satanismo, o jovem Dante é um dos que vai despertar a aura mais sombria da trama.

Aliás, esse prometido mix de gêneros que reúne terror, thriller, suspense e ação realmente se confirma na tela. O impasse, porém, é a miscelânea de forças do mal: seitas satânicas, mortos-vivos, visões proféticas e espíritos malignos estão em uma história confusa para o espectador até o sexto episódio. Depois, os mistérios começam a ser desvendados, e a história se encaixa de forma até surpreendente.

No fim, a sensação que fica é de um enredo pouco profundo, reflexo, talvez, da própria concepção da série. A produção serviria facilmente para mais de uma temporada, só que precisou ser resolvida em 12 episódios — a versão americana, por exemplo, está sendo pensada para mais de três anos. Alvarenga Jr, Aquino e Bonassi revelaram que a pretensão inicial não foi fazer uma série mais longa, o que, segundo eles, teria sido um erro — até agora, uma segunda temporada de Supermax ainda não está confirmada. Em apenas 12 episódios, os autores precisaram correr para explicar a história de 12 pessoas envolvidas em problemas sérios com a justiça, criar um enredo impactante, cheio de elementos sobrenaturais e que, no final, ainda fizesse sentido sem decepcionar os fãs do terror.

Supermax pode não ser a melhor série da Globo da última década, mas obrigou a emissora e o espectador a saírem da zona de conforto. Apesar dos percalços, é um marco dentro de um nicho esquecido na TV aberta. Essa é uma boa hora para o público começar a abraçar as produções nacionais inovadoras com olhar crítico e mente aberta, sem ranço por não ser um produto americano. Supermax merece ganhar uma chance dos amantes de seriados.

Leia outras colunas Tele Tudo


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.