Coluna Spoiler

"Game of Thrones": antes acusada de machista, série agora é dominada pelas mulheres

Último episódio de "Game of Thrones" foi simbólico ao destacar a ascensão das personagens femininas na série da HBO

Por: Priscila de Martini
08/08/2017 - 13h41min | Atualizada em 08/08/2017 - 14h09min
"Game of Thrones": antes acusada de machista, série agora é dominada pelas mulheres Macall B.Polay,HBO/Divulgação
Daenerys (D) e sua BFF Missandei Foto: Macall B.Polay,HBO / Divulgação  

O episódio de domingo de Game of Thrones, o quarto da sétima temporada, foi o ápice de um fenômeno que vem se desenrolando aos poucos na trama: a ascensão das mulheres em uma história antes dominada pelos homens. (Nem preciso dizer: este texto contém spoilers.)

George R.R. Martin e os produtores da série têm recebido desde o início muitas acusações de que GoT é machista e misógina demais, com as personagens femininas relegadas a esposas e amantes, além de objeto de inúmeros estupros ao longo dos anos. Se Martin ouviu as reclamações ou se era para ser assim desde sempre, talvez nunca venhamos a saber, mas o fato é que o jogo virou para as mulheres em Westeros.

Leia mais da coluna SPOILER
Descubra boas séries seguindo os superprodutores da TV americana
Por que a maioria dos cancelamentos de séries vem para o bem
Esnobadas pela crítica, séries que contam um caso por episódio agradam ao público

Analisando o último episódio, percebe-se que praticamente todas as cenas foram protagonizadas por elas — algo que talvez nem salte aos olhos dos menos atentos, já que a trama naturalmente as levou para os principais postos de poder nos Sete Reinos. Personagens que, lá no começo, pareciam fadadas a ser acessórios dos homens agora ditam os rumos da guerra. Ninguém explicou melhor a situação do que a sábia Lady Olenna Tyrell mais cedo nesta temporada, ao aconselhar Daenerys: "Conheci muitos homens inteligentes. Eu sobrevivi a todos eles. Sabe por quê? Eu os ignorei".






Dany, aliás, é o melhor exemplo desta ascensão. Vendida como esposa-escrava a Khal Drogo para ajudar a reivindicação de seu irmão ao Trono de Ferro, deu à luz três dragões, conquistou reinos, conseguiu uma legião de seguidores fiéis e, agora, tem Jon Snow à sua mercê em Dragonstone. No domingo, trucidou as forças de Jamie Lannister com o fogo de seu dragão, em uma das cenas mais esperadas (e incríveis) de GoT. Do sofá, a gente vibrou: "Dracarys neles, Dany!". 














Jamie, este, que é mais um fantoche nas mãos da irmã-amante Cersei, que subiu ao trono em Porto Real depois de ver marido e dois filhos morrerem com a coroa na cabeça. Hoje, é a grande rival de Dany e põe medo em todos os seus súditos (e em quem não é súdito também). É ela, e mais ninguém, quem decidirá se quer ou não uma aliança com os Greyjoys ao casar com o sádico Euron. De resto, nem se preocupa com as más línguas — se alguém achar ruim ela levar o irmão para a cama, com certeza vai perder a cabeça.






Ao norte, depois do reino de terror de Ramsay Bolton, Winterfell tem três mulheres à frente. Duas delas nunca quiseram ser lady, tampouco esposa de alguém: Arya Stark e Brienne de Tarth, que sabem lutar melhor do que a maioria dos caras em Westeros (certamente mais do que o pobre Podrick). 






Mas foi Sansa quem mais sofreu em sua jornada até ali porque era justamente a mais ingênua. Ela, sim, queria um marido e lindos vestidos, mas o mundo se mostrou duro com a ruiva Stark. Humilhada pelo psicopata rei Joffrey, vendida por Mindinho e estuprada por Ramsay, ela ressurgiu com o exército do Vale para salvar o irmão na Batalha dos Bastardos e jogar os cachorros no ex-marido (em outra das cenas mais satisfatórias da série). Sem contar que, na ausência de Jon, Sansa está controlando Winterfell.

Com a iminente chegada dos Caminhantes Brancos, não se sabe se restará algum trono para ser ocupado em Westeros. O certo é que tem sido ótimo ver a mulherada comandando na série mais popular do mundo.

Leia todas as colunas Spoiler

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.