Rei da grama

Federer: "Fazer história em Wimbledon é incrível"

Tenista suíço busca o recorde de oito títulos no Grand Slam londrino

Por: ZH Esportes
15/07/2017 - 08h45min | Atualizada em 15/07/2017 - 09h01min
Federer: "Fazer história em Wimbledon é incrível" Daniel LEAL-OLIVAS/AFP
Aos 35 anos, o maior campeão de Grand Slams vive uma fase iluminada nas quadras  Foto: Daniel LEAL-OLIVAS / AFP  

Roger Federer está a uma vitória de reescrever a história de Wimbledon. Nesta sexta-feira, a lenda suíça fez outra apresentação de luxo diante de Tomas Berdych e se classificou à final ao aplicar 3 sets a 0 no tcheco: 7/6(4), 7/6(4) e 6/4.

O heptacampeão avançou a sua 11ª decisão em Wimbledon sem perder sets. No domingo, às 10h, enfrentará Marin Cilic, que despachou o americano Sam Querrey de virada por 3 a 1, parciais de 6/7(6), 6/4, 7/6(3) e 7/5.

Leia mais:
FOTOS: Federer vence e tentará ser o maior campeão da história de Wimbledon
Cilic derrota Querrey e fará sua primeira final em Londres
Duplas de Demoliner e Bruno caem nas semifinais de Wimbledon

Se vencer o croata, o número 5 do mundo vai se isolar como maior campeão da história do Grand Slam britânico — William Renshaw (GBR) e Pete Sampras (EUA) também somam sete títulos. Caso repita o placar das rodadas anteriores, pode se tornar o segundo tenista na história a vencer Wimbledon sem perder sets, igualando o feito do sueco Bjorn Borg em 1976.

Façanhas à parte, o suíço disse que sente muito privilegiado por estar em outra final.

— Isso me deixa feliz. Fazer história aqui em Wimbledon é incrível, eu adoro esse torneio. Ter outra chance de conquistar o oitavo título e ter todos esses recordes é emocionante. Estou muito perto agora, mas tenho que ficar focado.

No confronto direto contra Cilic, Federer tem ampla vantagem. São seis vitórias e apenas uma derrota. Mas o último confronto indica o grau de dificuldade que o suíço pode encontrar na decisão. Nas quartas de final de Wimbledon no ano passado, sofreu para bater o croata de virada em maratona de cinco sets, com direito a três match points salvos.

— Ele é um grande cara, eu o conheço muito bem. Ele acabou comigo no US Open três anos atrás. Espero que não seja assim novamente. Tenho que jogar ofensivo, porque se você dar tempo a Marin, ele definir muito bem os pontos. No ano passado tivemos um jogo duríssimo nas quartas de final. Eu perdia por 2 sets a 0 e ele teve match points. Tive muita sorte por ter vencido.

*ZHESPORTES

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.