Operação NPK

Ação do MP combate falsificação de fertilizantes no RS, PR e SC

Fraude consistia na mistura de outros produtos a fertilizantes, aumentando o produto original

30/08/2016 - 08h39min | Atualizada em 30/08/2016 - 08h47min
Ação do MP combate falsificação de fertilizantes no RS, PR e SC MP/Divulgação
Foto: MP / Divulgação  

O Ministério Público (MP) realiza, na manhã desta terça-feira, uma operação para combater fraude e falsificação de fertilizantes e adubos em 27 cidades dos três Estados da Região Sul. Foram cumpridos 36 mandados de busca e apreensão, sendo 25 no Rio Grande do Sul, um no Paraná e um em Santa Catarina. As informações são do blog Caso de Polícia.

A chamada Operação NPK investiga dois grupos, com base no Vale do Taquari, que atuam na adulteração e revenda de produtos. Milhares de produtores rurais foram enganados e lesados.

Leia mais:
Renda que vem da integração da lavoura, pecuária e floresta
Especialistas apontam meios de tornar a produção sustentável

A investigação, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), com apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e da Brigada Militar (BM), começou a partir de informações encaminhadas pela Ouvidoria-Geral da Assembleia Legislativa. Os suspeitos agem em duas frentes: um grupo a partir de Colinas e outro a partir de Lajeado e Arroio do Meio.

Segundo o promotor Reginaldo Freitas da Silva, que coordena a ação, a fraude consistia na mistura de outros produtos a fertilizantes que eram comprados de forma regular ou irregular, principalmente desviados em portos brasileiros, aumentando assim o produto original. Os investigados acondicionavam o adubo em sacos com marcas comerciais conhecidas ou com uma etiqueta que indicava uma classificação superior. É a chamada NPK (nome da operação), ou seja, Nitrogênio (N), Fósforo (P) e Potássio (K). Isso porque os fertilizantes minerais sólidos fornecem basicamente esses macronutrientes primários e, conforme a concentração dos mesmos, a qualidade é maior. 

Freitas da Silva destaca que os produtos adulterados tinham pouca ou nenhuma concentração desses nutrientes. Ou seja, o produtor pagava por um produto falsificado e inferior.

São investigados os crimes de participação em organização criminosa, lavagem de dinheiro e ocultação de bens, estelionato, bem como crime contra as relações de consumo. São cumpridos, também, dez mandados de busca e apreensão de caminhões, veículos e implementos agrícolas — bens adquiridos com dinheiro obtido com os crimes.

As cidades onde foram cumpridos os mandados são: Arroio do Meio, Bento Gonçalves, Cambará do Sul, Candelária, Carazinho, Chiapeta, Colinas, Estrela, Flores da Cunha, Gaurama, Ibirapuitã, Júlio de Castilho, Lajeado, Panambi, Pareci Novo, Planalto, Rio Pardo, Saldanha Marinho, Santa Cruz do Sul, São Gabriel, São Luiz Gonzaga, São Nicolau, São Pedro das Missões, São Sebastião do Caí e Venâncio Aires, bem como em Colombo (Paraná) e Correia Pinto (Santa Catarina).

Leia as últimas notícias


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.