Distribuição de bebidas

Negócio entre empresa mexicana e gaúcha Vonpar pode ser concluído só no final de 2017

Passagem de mãos da operação da marca Coca-Cola no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina depende de aprovação do Cade

23/09/2016 - 14h30min | Atualizada em 23/09/2016 - 22h02min
Negócio entre empresa mexicana e gaúcha Vonpar pode ser concluído só no final de 2017 Félix Zucco/Agencia RBS
Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Anunciada nesta sexta-feira, a compra da divisão de bebidas da gaúcha Vonpar pela gigante mexicana Femsa pode ser concluída só no final de 2017. Como envolve duas empresas com grande faturamento e risco de concentração de mercado, a compra deve ser avaliada pelo tribunal do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), processo que pode levar até 330 dias (11 meses). 

O prazo começa a correr após a publicação no Diário Oficial da União (DOU) do protocolo de recebimento do processo envolvendo as duas companhias no Cade , o que ainda não ocorreu.

Após a superintendência do Cade receber o protocolo de notificação do acordo entre duas empresas, deve encaminhar o processo para um dos seis conselheiros do órgão, que ficará responsável pelo relatoria do caso. Ele terá prazo de 240 dias, prorrogáveis por mais 90 dias, para dar o parecer.

Leia mais:
Empresa mexicana fecha acordo para comprar a gaúcha Vonpar
Venda da operação da Coca-Cola no Estado envolveu R$ 3,5 bilhões
Família Vontobel manterá produção de Neugebauer e Mu-Mu

É o tempo de análise que a negociação entre grandes empresas costuma durar. O exame da compra da Webjet pela GOL, por exemplo, demorou 15 meses. A aquisição da compra do HSBC pelo Bradesco foi analisada durante 10 meses.

A grande maioria dos processos (93%) que chegam ao tribunal envolvendo análise de concentração de mercado são aprovados sem ressalvas. Algumas marcas conhecidas, no entanto, enfrentaram problemas ou foram obrigadas a fazer concessão para conseguir fechar negócio. 

A mais rumorosa envolveu a multinacional Nestlé e a brasileira Garoto, que fecharam acordo em 2002. Juntas, elas teriam mais de 58% do mercado. Por causa da concentração do setor, a fusão das empresas foi barrada pelo Cade dois anos depois. As empresas então contestaram a decisão junto ao Poder Judiciário, em processo que continua correndo até hoje. A Nestlé continuou sendo a dona da Garoto, mas com operações, fabricação e administrações separadas. Até hoje, são duas empresas distintas.

Em junho deste ano, o Cade acatou pedido da Nestlé e reabriu as negociações com base em um artigo de seu regimento que prevê que o conselho poderá reapreciar um veto seu a uma fusão, a pedido, desde que seja apresentado "fato ou documento novo" capaz de alterar a decisão. 

A Kolynos e a Colgate também enfrentaram resistência do órgão fiscalizador. A fusão entre as empresas foi aprovada, mas com ressalvas. Em 1996, o Cade autorizou a Colgate a comprar a Kolynos, mas obrigou a retirada da marca das prateleiras dos supermercados. 

Em junho deste ano, o Cade aprovou com restrições a compra do braço brasileiro do HSBC pelo Bradesco. Para levar adiante a operação, o Bradesco ficou proibido de adquirir qualquer outra instituição financeira pelos 30 meses seguintes. A decisão impedia na prática que o Bradesco entrasse na disputa pelas operações de varejo do Citi no Brasil.

O CADE
O Conselho Administrativo de Defesa Econômica é um órgão federal vinculado ao Ministério da Justiça que fiscaliza e apura abusos do poder econômico.

COMO DEVE SER O PROCESSO DE ANÁLISE
- PASSO 1

Após fechar acordo, as empresas entram com protocolo de notificação no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para validar o negócio.
- PASSO 2
É publicado um despacho no Diário Oficial da União (DOU) informando o público sobre a análise da negociação pela entidade. Até o momento, o acordo entre Femsa e Vonpar não foi divulgado no DOU.
- PASSO 3
A superintendência do Cade faz uma avaliação prévia do caso. Se considerado simples, sem risco de concentração de mercado, o negócio é apreciado pela própria superintendência em um prazo de até 30 dias.
- PASSO 4
Quando envolve empresas de grande porte, como Femsa e Vonpar, o caso é encaminhado para o tribunal do Cade. Um dos seis conselheiros fica responsável pelo processo e tem até 240 dias (prorrogáveis por mais 90 dias) para dar seu parecer. Apenas 6% dos processos chegam ao tribunal.
- PASSO 5
A corte julga e dá o aval ou não para a conclusão. É a última instância administrativa. Cerca de 93% dos atos são aprovados sem restrições.Caso o negócio não seja aceito as empresas precisam recorrer da decisão na Justiça comum.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.