Corrida ao Palácio do Eliseu

A três dias das eleições, candidatos à presidência da França concedem entrevista à TV nesta quinta

Conforme pesquisas, pelo menos quatro candidatos têm chances de passar ao segundo turno: Emmanuel Macron, François Fillon, Jean-Luc Mélenchon e Marine Le Pen

Por: AFP
20/04/2017 - 12h16min | Atualizada em 20/04/2017 - 12h20min
A três dias das eleições, candidatos à presidência da França concedem entrevista à TV nesta quinta Montagem/AFP
François Fillon, Marine Le Pen, Emmanuel Macron e Jean-Luc Mélenchon (da esquerda para a direita) Foto: Montagem / AFP  

Os candidatos à presidência da França jogarão as últimas cartas, nesta quinta-feira, na televisão, a três dias do primeiro turno das eleições mais incertas da história do país. Conforme as pesquisas, pelo menos quatro aspirantes ao Palácio do Eliseu têm chances reais de passar ao segundo turno.

Os nove homens e duas mulheres que aspiram suceder o presidente socialista François Hollande, que desistiu da reeleição, serão entrevistados na televisão pública e tentarão convencer os eleitores antes do encerramento oficial da campanha, na noite de sexta-feira.

Leia mais
Sede da campanha de Marine Le Pen é alvo de ataque em Paris
Candidato da extrema-esquerda sobe nas pesquisas para a presidência
Luiz Antônio Araujo: A eleição na França e o futuro da Europa 

De acordo com as últimas pesquisas sobre o cenário eleitoral francês, há uma disputa apertada entre a candidata de extrema-direita Marine Le Pen, o centrista Emmanuel Macron, o conservador François Fillon e o radical de esquerda Jean-Luc Mélenchon. O candidato apoiado pelo atual presidente, Benoît Hamon, corre por fora e não deverá seguir para o segundo turno.

A candidata anti-imigração e antieuropeia Le Pen, que segundo as pesquisas conseguirá chegar ao segundo turno, no dia 7 de maio, perdeu terreno nos últimos dias para outro grande favorito, o centrista e pró-europeu Emmanuel Macron, com 23% das intenções de voto cada um.

O conservador François Fillon, que se mantém na disputa apesar de acusado em março passado por desvio de fundos públicos, e o líder da esquerda radical Jean-Luc Mélenchon, que registrou um surpreendente pulo nas pesquisas, estão empatados em quase 20%.

A diferença entre os quatro é tão apertada que todos estão dentro da margem de erro e, portanto, qualquer um pode chegar ao segundo turno. Se os prognósticos se cumprirem, Le Pena perderá no segundo turno para qualquer um dos demais candidatos, pelo efeito da concentração de votos contra a extrema-direita, como aconteceu em 2002.

Em meio a tantas incertezas, os candidatos centrarão o foco, nesta quinta-feira, nos indecisos e em tentar mitigar o nível de abstenção, em um momento em que mais de 25% dos franceses ainda não decidiram em quem votarão no domingo.

Um grupo de intelectuais e artistas americanos, incluindo o acadêmico Noam Chomsky e os atores Mark Ruffalo e Danny Glover lançaram, na quarta-feira, uma petição em que incentivam os franceses a não repetir o cenário Clinton x Trump, e dão seu apoio a Mélenchon, segundo eles em melhor posição no primeiro turno.

Na noite desta quinta-feira, os 11 candidatos serão entrevistados separadamente durante 15 minutos cada um, na última grande tribuna midiática antes do encerramento da campanha.

Ao final das 11 entrevistas, cada candidato terá dois minutos e meio a mais para fazer sua conclusão.

A televisão pública francesa desistiu de organizar um debate eleitoral entre todos os candidatos, como o de princípio de abril, ante a negativa de alguns deles de participar tão pouco tempo antes do final da campanha.

— Com ao menos 20%/25% de indecisos entre as pessoas que vão votar, estes três dias serão cruciais para cerca de dez milhões de eleitores. Apesar de não se tratar de um debate, qualquer programa pode ter um grande impacto em plena batalha pelo voto útil — assinalou Chloé Morin, diretora do Observatório de Opinião da Fundação Jean-Jaurès.

Leia as últimas notícias de Mundo

*AFP

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.