Efeitos da cheia

Em 24 horas, mais do que dobra número de pessoas fora de casa no RS

Conforme balanço da manhã desta quinta-feira, 22 mil estão desalojados ou desabrigados no Estado

03/07/2014 | 07h11
Em 24 horas, mais do que dobra número de pessoas fora de casa no RS Adriana Franciosi / Agência RBS/
Em São Borja (em imagem registrada na terça-feira) são quase 3 mil moradores fora de casa Foto: Adriana Franciosi / Agência RBS

Nas últimas 24 horas, dobrou o número de pessoas fora de casa em função da enchente nas regiões Norte, Noroeste e Fronteira Oeste. Às 7h de quarta-feira, eram 9.674. Nesta manhã, o Rio Grande do Sul contabiliza 21.928 desalojados ou desabrigados. É o maior número desde que os efeitos da cheia começaram a ser sentidos, há uma semana. Conforme o balanço da Defesa Civil do Estado no final da tarde de ontem, 19,6 mil moradores tiveram de abandonar suas residências.

Leia todas as notícias sobre a chuva
Saiba como ajudar as vítimas da enchente

São 5.191 desabrigados (quando necessitam de abrigo municipal) e 16.737 desalojados (que foram para casas de parentes ou vizinhos). Subiu, também, o número de municípios afetados pela enxurrada. Já são 101 cidades atingidas, sendo que pelo menos 35 estão em estado de emergência e duas decretaram situação de calamidade pública (Iraí e Barra do Guarita). A cidade mais afetada é Itaqui, na Fronteira Oeste, com 9.780 moradores fora de casa por conta da cheia. Em São Borja, são 2,9 mil pessoas.

Apesar da trégua da chuva nos últimos dois dias — mas que não foi suficiente para que o nível dos rios baixassem —, o retorno da instabilidade nesta quinta-feira coloca os municípios que já sofrem pela enxurrada em alerta. Deve continuar a chover até domingo, o que pode contribuir para novas cheias. Mesmo quando parou a chuva, o nível do Rio Uruguai seguiu alto porque a água de afluentes chega à Fronteira Oeste. Segundo o geólogo e professor da UFRGS Antonio Pedro Viero, a instabilidade ocorrida em toda a região da bacia catarinense e gaúcha junta-se às registradas nas próprias cidades com cheias, aumentando o nível do rio.

— Isso é costumeiro. Quando chove no norte de Santa Catarina e no Norte do Rio Grande do Sul, os rios desaguam no Rio Uruguai e as águas descem. Elas demoram a chegar, mas, em quatro dias, atingem a Fronteira Oeste. O nível está estabilizado em São Borja, subiu um pouco mais em Itaqui e, em Uruguaiana e Barra do Quaraí, deve começar a subir mais durante dois dias. É que os municípios são muito distantes — explica o coordenador da regional da Defesa Civil em Uruguaiana, capitão Gerson Corrêa de Mello.

Ontem, o Rio Uruguai estava 12,30 metros acima do nível normal em Itaqui. Em São Borja, 17 metros acima e, em Uruguaiana, quase 12 metros a mais. A enchente já é considerada uma das mais graves na Bacia do Rio Uruguai, conforme a Defesa Civil do Estado — sendo comparada à histórica cheia de 1983.

O secretário-chefe da Casa Militar e coordenador estadual de Proteção e Defesa Civil, coronel Oscar Luis Moiano, está à frente do cargo desde 2011. Segundo ele, é a pior cheia enfrentada pelo Rio Grande do Sul na sua gestão.

— Não tivemos nenhuma pior, em especial na Bacia do Rio Uruguai. Enfrentamos enchentes nos vales do Caí, Taquari e Sinos, mas no Uruguai não havíamos tido nada tão expressivo — afirma Moiano.

Nesta manhã, o coronel e prefeitos de municípios afetados pela enxurrada têm uma reunião no Ministério da Integração, em Brasília, onde deve ser definida a liberação de recursos emergenciais ao Estado.

— Ainda estamos fazendo o socorro, continuamos retirando as famílias e abrigando as pessoas das áreas atingidas. Depois disso, há toda a questão dos danos na agricultura, na infraestrutura, em pontes e até em residências. Só poderemos estimar os prejuízos quando a água baixar — conclui o coordenador.

Em Itaqui, casas tiveram de ser removidas de dentro do rio:

Veja as galerias de fotos das cheias de 1983 e 2014

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.