Versão mobile

Acidente aéreo

Jato cai em Santos, no litoral paulista, e mata Eduardo Campos

Além do candidato à presidência e ex-governador de Pernambuco, outras seis pessoas estariam na aeronave

13/08/2014 - 11h35min | Atualizada em 13/08/2014 - 16h22min
Jato cai em Santos, no litoral paulista, e mata Eduardo Campos Ricardo Nogueira/AFP
Além de Campos, outras seis pessoas morreram no acidente Foto: Ricardo Nogueira / AFP

Um jato particular caiu em Santos, no litoral de São Paulo, e atingiu casas por volta das 10h desta quarta-feira. Na aeronave, estava o candidato à presidência da República pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) e ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, que morreu no acidente

Assessores do político, um cinegrafista, um fotógrafo e dois pilotos também estariam na aeronave e teriam morrido. A candidata à vice-presidência, Marina Silva, a mulher e o filho do presidenciável não estavam no jato — que pertencia à empresa Af Andrade Empreendimentos e Participações Ltda. Os familiares do político estariam em Recife. Quatro pessoas ainda ficaram feridas no acidente, conforme a prefeitura de Santos.

Leia todas as notícias sobre a morte de Eduardo Campos
Infográfico: aeronave na qual estava Campos se dirigia do Rio a SP


Integrantes da campanha de Campos se dividiram nesta quarta-feira em duas aeronaves: parte viajou ao Recife e o restante a Santos — e Eduardo Campos estava no jato em direção à cidade paulista. O presidenciável estaria se deslocando para um evento no Guarujá. Na noite de terça-feira, ele concedeu entrevista ao Jornal Nacional.

Foto: Cristiano Mariz, Especial

Ainda de acordo com o Comando da Aeronáutica, a aeronave é um Cessna 560XL, prefixo PR-AFA, que decolou do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, com destino ao Aeroporto de Guarujá (SP). Quando se preparava para pouso, o avião arremeteu devido ao mau tempo. Em seguida, o controle de tráfego aéreo perdeu contato com a aeronave.

PSB divulga nota e fará manifestação oficial em São Paulo
Veja quem são as outras seis vítimas do acidente

O deputado federal pelo PSB no Rio Grande do Sul Beto Albuquerque recebeu a notícia da morte de Eduardo Campos em um evento na Federasul. Abalado, disse que o "Brasil perdeu um grande tomoneiro". Ele se desloca para São Paulo ainda nesta quarta-feira, assim como a vice de Eduardo, Marina Silva.

A Aeronáutica informou que já começou as investigações para apurar os fatores que possam ter contribuído para o acidente. Viaturas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, da Polícia Militar e dos bombeiros atenderam ao acidente. Peritos da Polícia Federal irão auxiliar na identificação dos corpos.

O analista de logística ferroviária Tássio Ricardo Cardozo Silva, 25 anos, presenciou o exato momento em que o jato caiu. Eram 10h02min, segundo Tássio, quando a aeronave "caiu de bico".

— Eu trabalho a 300 metros do local e vi o avião caindo a uns 65 graus, de bico. Minha mesa fica de frente para a janela e presenciei a aeronave desabando. Fiquei sem reação, depois caí na real. Teve explosão e muita fumaça. Os socorristas chegaram rápido — disse.

Campos morreu no mesmo dia do falecimento do avô Miguel Arraes. Aos 49 anos, o político deixa a mulher, a economista Renata Campos, e cinco filhos.

Confira as informações ao vivo:

Jato com Eduardo Campos cai no litoral paulista

 

Relembre momentos da trajetória de Eduardo Campos

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.