Espírtio Santo

À espera da lama, pescadores de Colatina fazem "Arca de Noé" para salvar peixes

Município cortou a captação de água do Rio Doce no domingo. Há dezenas de caminhões-pipa circulando pela cidade, além do trabalho de perfuração de poços artesianos

Por: Caetanno Freitas (texto) e Anderson Fetter (imagens), de Colatina (ES)
19/11/2015 - 04h08min


A lama da barragem de Mariana, que segue o curso pelo Rio Doce, chegou nesta quarta-feira a Colatina, no Espírito Santo, depois de passar pelo município capixaba de Baixo Guandu. A coloração avermelhada, no entanto, ainda não foi vista na região central da cidade, local onde centenas de pescadores aproveitaram para montar uma grande força-tarefa na tentativa de manter vivos robalos, dourados, corvinas e outras espécies de peixes que resistem na água, ainda limpa.

Em Minas, população faz velório a céu aberto para o Rio Doce
O que se sabe sobre o desastre ambiental que encheu de lama o Rio Doce

Batizada pelos próprios pescadores de a Arca de Noé de Colatina, a operação consiste em pescar os peixes, colocá-los em isopores com água e jogá-los dentro de um pequeno açude protegido por barreiras de areia, construído por meios próprios, com ajuda de maquinários, do outro lado do Rio Doce. Mantê-los em cativeiro foi a alternativa encontrada para não perder o sustento de milhares de famílias depois que a lama tomar conta.

ZH atravessou o rio na carona do barco de Roni Oliveira, um dos pescadores responsáveis pela operação realizada na orla de Colatina. Tímido, Roni conseguiu, ao menos, descrever a sensação de aguardar a morte anunciada daquele que o acompanha desde pequeno:

— Dá uma angústia muito grande na gente. Não tem nem o que dizer direito.

Colatina recebe 30 toneladas de produto desenvolvido no RS para tratar água
Em Mariana, cão espera pelo dono em telhado de casa destruída


Foto: Anderson Fetter / Agência RBS

Em pé nas barreiras montadas para isolar o cativeiro da água suja que se aproxima, João Correia, o João “Areia”, pede ajuda das autoridades aos pescadores e diz que a operação vai continuar até a chegada da lama.

— Tá difícil para pescador viver aqui. Os peixes estão morrendo. O governo, a prefeitura, têm de nos ajudar agora. Vai ficar cada vez mais difícil para nós. Nós fizemos esse poço para botar os peixes para viver. Estamos salvando a vida deles. Vamos continuar trabalhando aqui, salvando os peixinhos, dia e noite, até que a lama chegue — disse.

Diante de mais de uma centena de pescadores, o chefe da Arca de Noé, o fotógrafo — e pescador — Edson Negrelli, explica como surgiu a ideia:

— Foram quatro malucos, incluindo eu, que pensaram nisso. Aí um de nós falou em Arca de Noé. A ideia se espalhou pelos municípios vizinhos, Linhares e Baixo Guandu. Lá também botaram isso em prática. Nunca pensei que essa nossa intenção fosse tomar a proporção que tomou. Graças a Deus estamos conseguindo fazer nossa parte.

Ministra diz que recuperação da Bacia do Rio Doce levará pelo menos 10 anos
Samarco admite risco de rompimento de outras duas barragens

Diante de um rio prestes a morrer, Negrelli diz que a ação já salvou mais de 20 espécies diferentes e mais de seis mil peixes. Emocionado, faz um desabafo:

— É incrível a colaboração de todas as pessoas, até de quem não vive do peixe. É um sentimento que não sei explicar. Não sou pescador, mas já vivi 40 anos dentro desse rio pescando. Sempre foi muita fartura. Imaginar que isso tudo acabou agora é muito difícil.

Colatina preparada para enfrentar o desabastecimento

Situada no Vale do Rio Doce, Colatina está a 135 quilômetros da Capital do Espírito Santo, Vitória, e possui 122,6 mil habitantes, segundo o Censo 2015 do IBGE. Mais de 100 homens do Exército chegaram no domingo ao município para ajudar na distribuição de água à população, que teve o abastecimento interrompido no domingo.

Direto de Mariana: o difícil recomeço de quem teve a vida soterrada

Estão sendo perfurados seis poços, há caminhões-pipa por toda parte e reservatórios provisórios com capacidade de 20 mil litros em pontos mais altos da cidade. São mais de 50 pontos de distribuição de água. Cada pessoa tem direito a 50 litros pessoa. A procura, porém, ainda é baixa, segundo o Exército.

Gaúcho de Bagé, o capitão Thiago de Albuquerque é um dos militares que organizam o “quartel-general” montado na Sanear, órgão de distribuição da cidade. Hospitais e escolas são os locais prioritários para o recebimento de água potável.

— Desde domingo fizemos um estudo bem detalhado, preparando a população para que não falte nada. O abastecimento de água está suspenso, mas ainda não houve uma procura nos pontos de distribuição. Acreditamos que as pessoas se prepararam bem para enfrentar essa situação — explicou.

O coronel Fabiano Bonno, coordenador da Defesa Civil do Espírito Santo, acrescenta que o atraso da chegada da lama ajudou na preparação.

— A previsão da chegada dessa lama era dia para o dia 9. Para nossa felicidade, essa lama foi atrasando e ganhamos muitos dias para pensar em toda essa logística — afirma.


Foto: Anderson Fetter / Agência RBS

Na escola municipal de ensino fundamental Octávio Manhães de Andrade, em Colatina, até os alunos menores já entendem parte do que o desastre ambiental pode provocar.

— Eles nos perguntam o tempo todo se vão ficar sem água. A gente tem de explicar direitinho que está tudo certo, que ninguém vai ficar sem água. Os maiores entendem melhor, né? Mas estamos lidando muito bem com isso — diz a diretora administrativa, Cátia Simone Kozer, antes de receber dezenas de galões de água mineral do Exército.

Ibama vai aplicar multa de R$ 250 milhões à Samarco Mineradora

— As escolas não podem ficar sem água. Os hospitais também não. A população não pode ficar desbastecida. É por isso que estamos aqui — completa o capitão gaúcho Thiago de Albuquerque.

Rota da Lama

Zero Hora percorre o rastro de devastação provocado pelo rompimento da barragem da mineradora Samarco ao longo do curso do Rio Doce. A primeira parada foi na localidade de Bento Rodrigues, no município de Mariana, que registrou mortes, desaparecimentos e foi praticamente extinta. A segunda parada foi em Paracatu de Baixo, também em Mariana (MG), onde a lama destruiu as casas e se acumula em blocos de um a dois metros de altura. Em seguida, nossos repórteres visitaram Rio Doce e Governador Valadares. Em outra frente, no Espírito Santo, a reportagem já passou por Colatina e segue em direção ao litoral capixaba. Veja abaixo todas as matérias que já foram publicadas:

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.