Segurança

Mais da metade dos mortos no ES durante paralisação da PM era da periferia, afirma sindicato

Segundo o Sindipol, entre o total de mortos a maioria era de pardos. As idades variam de 14 a 69 anos

Por: Estadão Conteúdo
15/02/2017 - 22h47min | Atualizada em 15/02/2017 - 22h47min
Mais da metade dos mortos no ES durante paralisação da PM era da periferia, afirma sindicato Tânia Rêgo/Agência Brasil
Paralisação da PM no ES gerou onda de violência. A Força Nacional e as Forças Armadas foram enviadas ao Estado capixaba Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil  

Mais da metade dos homicídios ocorridos no Espírito Santo desde o início da paralisação da Polícia Militar (PM) foram de moradores da periferia da Grande Vitória. Segundo levantamento do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES), 85 vítimas dentre as 149 que foram assassinadas até esta quarta-feira eram homens que moravam no subúrbio das sete cidades que formam a região metropolitana.

Leia mais:
Governo do Espírito Santo confirma 143 mortos durante motim de PMs 
Crise no ES adia reforço de 129 agentes da Força Nacional para Porto Alegre

Ainda segundo o Sindipol, entre o total de mortos a maioria era de pardos. As idades variavam de 14 a 69 anos — 11 menores foram assassinados. Dentre as vítimas, havia 11 mulheres. Os números têm como base os registros da Divisão de Homicídios (DHPP), do Departamento Médico Legal de Vitória (DML) e do Centro Integrado de Defesa Social (Ciodes).

O município de Serra, na Grande Vitória, foi o que registrou maior número de homicídios desde que iniciou a paralisação da PM. Foram 35 mortes desde o dia 4. Desse total, 33 eram homens.

*Estadão Conteúdo

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.