Contra reforma trabalhista

Protesto bloqueia garagens de ônibus por três horas e transtorna trânsito em Porto Alegre

Segundo a EPTC, 80% das linhas foram afetadas pela mobilização organizada pelas principais centrais sindicais

Por: Vanessa Kannenberg
22/09/2016 - 10h35min | Atualizada em 22/09/2016 - 13h03min

Para manifestar repúdio a propostas de reforma na legislação previdenciária e alertar a população sobre o impacto na vida do trabalhador, oito centrais sindicais promoveram atos que impactaram no transporte público e no trânsito de Porto Alegre na manhã desta quinta-feira.

Ainda na madrugada, um protesto começou com o bloqueio da garagem de seis empresas de transporte público. Com isso, moradores que precisaram das linhas de ônibus atendias por Gasômetro, Nortran, Sopal, Sudeste, Trevo e VTC tiveram de esperar bastante.

– Estou aqui há mais de uma hora, acho que duas. Estou atrasado para o trabalho. Atrapalha o direito de ir e vir – reclamou Marcio Brasil, servidor terceirizado da prefeitura, 68 anos, enquanto aguardava em uma das paradas lotadas da Avenida Bento Gonçalves no começo da manhã.

Leia mais
AO VIVO: centrais sindicais fazem protesto na Região Metropolitana
Saiba o que é afetado pelas manifestações das centrais sindicais na Capital
Leia as últimas notícias sobre manifestação

Na Carris, um grupo de manifestantes chegou a impedir a saída dos coletivos por volta das 4h. A Brigada Militar interveio, com uso de spray de pimenta e bombas de efeitos moral, e os portões da empresa foram liberados. Segundo a EPTC, cerca de 80% das linhas foram afetados pela falta de ônibus. Ainda assim, não foi feito remanejo nas frotas.

As garagens começaram a ser liberadas após as 7h. Nem por isso os problemas cessaram. Os ônibus ficaram lotados. Usuários sentados nos painéis dos veículos e gente se espremendo para entrar foram cenas comuns.

Uma aposentada aguardava há quase duas horas que um coletivo da linha 376-Herdeiros passasse pela Avenida Bento Gonçalves. A garagem da Gasômetro estava bloqueada por moradores da Zona Leste, que se queixam de problemas de segurança na região do Beco dos Cafunchos. Cansada de esperar, às 7h15min, a idosa subiu com dificuldade num ônibus da T11A, únicos que passavam àquela altura pela via.

— Protestam para nos ajudar, mas acabam nos atrapalhando — bradou ela, já entrando no veículo.

À medida em que deixavam as empresas, diferentes grupos de manifestantes, de lugares diversos, passaram a caminhar rumo ao Centro. No trajeto, avenidas como Bento Gonçalves, João Pessoa, Ipiranga e a entrada da Capital pela freeway ficaram congestionadas.

Com ajuda de autofalantes e carros de sons, os manifestantes espalharam seus ideias e críticas ao governo Temer.

– Sessenta horas semanais são quase como abolir a Lei Áurea – ironizou um dos organizadores do protesto ao microfone.

Presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo avalia que o protesto atingiu seu objetivo, pois chamou a atenção para o debate que o tema das reformas trabalhistas merecem.

— Esse ataque à CLT, à Previdência e projetos sociais é muito grave. Trabalhar dos 14 aos 65 anos é grave. Reunimos 2 mil manifestantes, mas atingimos de 20 a 30 mil nas ruas. Esperamos ter conscientizado muita gente — disse Nespolo.

Consciente de que causaram impactos no trânsito e no transporte público, o sindicalista destacou:

— Causamos transtornos, sim, mas o que são esses transtornos para quem vai perder o futuro? — apontou.

Depois de todos os grupos se encontrarem em frente à Superintendência Regional do Trabalho e do Emprego, na Avenida Mauá, os manifestantes seguiram até o Palácio Piratini, em sinal de "apoio e solidariedade" aos servidores estaduais. Por volta do meio-dia, depois de oito horas de manifestações, o ato foi encerrado.

Segundo Guiomar Vidor, presidente da CTB, a intenção é impedir que o governo federal leve adiante mudanças que afetem os trabalhadores. Caso siga, as centrais sindicais planejam uma greve geral, sem data para começar.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.