Segurança

BM estuda mudar policiamento de pequenos municípios

Aumento de crimes graves, como roubos a bancos com uso de reféns, preocupa novo comandante-geral da Brigada Militar

12/01/2017 - 11h26min | Atualizada em 12/01/2017 - 11h32min
BM estuda mudar policiamento de pequenos municípios Sibeli Fagundes/Rádio Gaúcha
Foto: Sibeli Fagundes / Rádio Gaúcha  

A Brigada Militar (BM) admite rever a estratégia de policiamento nos pequenos municípios do Rio Grande do Sul, onde, em alguns casos, dois PMs ou até menos se revezam na segurança ostensiva. Em entrevista, nesta quinta-feira, ao programa Gaúcha Atualidade, o novo comandante-geral da corporação manifestou preocupação com o aumento de crimes graves nas localidades atendidas pelas patrulhas intermunicipais (Patrim). Segundo o coronel Andreis Dal'Lago, tratam-se de ocorrências que colocam vidas em risco.

— Estamos revendo e vamos fazer ajustes nessas comunidades onde estão acontecendo delitos graves, como ataques a bancos, mas com uso de pessoas como escudo humano — diz Dal'Lago.

Hoje, as patrulhas intermunicipais são compostas por policias de cidades distantes até 25 quilômetros entre si, e as guarnições se revezam em turnos de patrulhamento. Com isso, há localidades que ficam sem nenhum brigadiano por algumas horas, atraindo assaltantes.

Leia mais
Enquanto Estado anuncia 166 novos PMs, 1.920 se aposentaram em 2016
Independência da BM não soluciona déficit de efetivo dos Bombeiros
Piratini cogita recuar de convocação extraordinária da Assembleia

Concurso

O novo comandante-geral confirmou para julho a formação de 1.060 novos PMs. Eles se somam a outros 160 que foram incorporados em dezembro. No entanto, ainda não há previsão de chamamento de 700 aprovados do último concurso. Andreis Dal'Lago reconhece que a reposição não dá conta do ritmo de policiais que estão indo para a reserva.

— Estamos com um déficit histórico. Em 2016, já são dois mil novos aposentados, e esse ritmo vem aumentando desde 2014 — diz o comandante. Para Dal'Lago, há uma corrida contra o tempo e a necessidade de lançamento de novo edital.

Protestos

O novo comandante-geral da Brigada Militar afirma que a estratégia de ação em protestos será mantida. Dal'Lago classifica como "técnica" a política adotada durante confrontos com manifestantes.

— Enquanto usamos a bomba de gás ou o spray de pimenta, estamos, também, mantendo a tropa afastada dos manifestantes. Entendemos que a manifestação é legítima, mas o direito de meia dúzia não é maior que o direito da coletividade — diz.

Mudanças na BM 

Com as alterações no comando-geral da Brigada Militar, a corporação também terá mudanças em outros postos. O novo comandante de policiamento da Capital (CPC) será o coronel Jefferson de Barros Jaques, atual corregedor da BM. Ele substituirá o coronel Mário Ikeda, que se torna subcomandante-geral. Ainda não está definido quem será o novo corregedor da corporação.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.