Entrevista

Advogado com clientes na Lava-Jato e procurador divergem sobre projeto de abuso de autoridade

Enquanto Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, defende o texto em análise no Senado, José Robalinho Cavalcanti faz críticas à proposta

Por: Fábio Schaffner
20/04/2017 - 22h00min | Atualizada em 20/04/2017 - 22h00min
Advogado com clientes na Lava-Jato e procurador divergem sobre projeto de abuso de autoridade Pedro Ladeira / Folhapress / Divulgação/Divulgação
Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay,  e José Robalinho Cavalcanti  Foto: Pedro Ladeira / Folhapress / Divulgação / Divulgação  

ENTREVISTA: advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay

"Quem não comete abuso está tranquilo"

Um dos mais requisitados advogados de Brasília, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, é um entusiasta do projeto de abuso de autoridade. Com mais de 20 clientes na Lava-Jato, diz que o texto irá corrigir excessos cometidos pelo Judiciário, em especial pelo Ministério Público Federal, a quem acusa de ativismo judicial e de pedir prisões em demasia.

Leia mais
Projeto de abuso de autoridade aumenta tensão entre Judiciário e políticos
Lobão marca votação no Senado do abuso de autoridade para dia 26
Moro defende "salvaguarda" na lei de abuso de autoridade

Como o senhor vê o projeto de lei sobre abuso de autoridade em tramitação no Senado?

O que mais me impressiona é a falta de lealdade do Ministério Público, que se arvora o tutor da nação ao dizer que é um projeto do senador Renan Calheiros (PMDB-AL). É uma proposta de 2009. Foi criada uma comissão para elaborar o texto, redigido pelo ministro Teori Zavascki e apresentado pelo deputado Raul Jungmann (PPS-PE). Estamos vivendo um momento extremamente rico, a Lava-Jato faz um belíssimo trabalho, mas com muitos, muitos abusos institucionais. Então, a pedido de alguns ministros do Judiciário, Renan apresentou um projeto que estava dormitando no Senado e não mudou uma única linha. Por falta de lealdade intelectual, o Ministério Público está dizendo que é do Renan para desqualificar, não pelo conteúdo, mas pela pretensa forma. Mas eu não esperava outra coisa do MP.

Com esse ambiente político conturbado, é o momento ideal de votar o projeto?

Já deveria ter votado. O Congresso tentou, mas não permitiram. Quem tem medo do projeto de abuso de autoridade? Só quem pratica. Eu não tenho. É absolutamente contraditória a postura desses arautos da moralidade dizer agora que tudo é contra a Lava-Jato. Ela nem existia em 2009. Isso é falta de argumento, proselitismo, inclusive com um certo quê de ridículo. Toda pressão da sociedade sobre o Congresso é bem-vinda, o que não pega bem é a deslealdade. É muito grave, porque o projeto é necessário. Ele vai coibir o excesso do guarda da esquina, ao cidadão que está voltando para casa e toma um tapa na orelha porque não mostrou o documento. Esse pessoal do Ministério Público pensa que só existe a Lava-Jato. Existe um Brasil real.

O projeto permite que o réu processe o juiz da causa, o que impediria o magistrado de seguir à frente da ação penal contra esse acusado. Não se trata de retaliação, de travar o seguimento do processo?

Ninguém está delegando ao cidadão ofendido o direito de processar e impedir. Isso é uma meia verdade. Quem vai tomar providência é o Ministério Público e quem vai decidir é o Judiciário. Não pode existir crime de interpretação, de hermenêutica. Entendo a preocupação dos procuradores da Lava-Jato, porque eles pedem prisão sem a menor necessidade. Mas essa não é a realidade nacional, existe um Ministério Público muito mais sensato, sério e comprometido com as instituições nacionais. Quem não comete abuso está tranquilo. Claro que poderá ter excesso, como também há excesso nas prisões da Lava-Jato.

Já que o Congresso está disposto a enfrentar o tema, não poderia também discutir o fim do foro privilegiado?

Tenho uma proposta que mantém o foro apenas para quatro cargos: presidentes da República, do Supremo Tribunal Federal, do Senado e da Câmara. Inclusive já conversei com alguns senadores sobre a necessidade de se aprovar o fim do foro, o que lhes dará mais legitimidade.

ENTREVISTA: presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República, José Robalinho Cavalcanti

"Do jeito que está, inibe investigações"

À frente da categoria que mais tem afligido os políticos investigados na Lava-Jato, o presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República, José Robalinho Cavalcanti, considera que a operação é um dos alvos da lei de abuso de autoridade. Para Cavalcanti, alguns pontos do projeto inibem investigações e foram criados especialmente para dificultar a ação de promotores e juízes.

Como o senhor vê o projeto de lei sobre abuso de autoridade?

Do jeito que está, inibe investigações. Não há dúvida que a lei precisa ser atualizada, é de 1965 e foi criada na época da ditadura, para não dar problemas aos agentes do regime. A discussão tem de ter calma. Não está no ritmo perfeito, mas pelo menos o Senado não votou a toque de caixa, como queria no ano passado o senador Renan Calheiros. Houve uma colaboração de todas as entidades da magistratura, que foram acatadas em parte. O projeto está melhor, mas dois problemas restaram: um é o crime de hermenêutica, o outro é a ação penal concorrente, na qual qualquer suposta vítima de abuso de autoridade pode processar criminalmente o agente do Estado, seja fiscal, juiz ou promotor. Isso permite que um bandido, chefe de quadrilha do crime organizado, processe criminalmente um juiz. Há 5 mil anos a humanidade chegou a conclusão de que a vingança privada não é solução. Por isso que em todos os países do mundo, a titularidade do processo penal é do Estado, por meio do Ministério Público.

Esse é o momento ideal de votar o projeto?

Não. O Senado tem plena autonomia para debater o assunto. Fui o primeiro a dizer que é um tema necessário. Mas o Brasil sobreviveu com a lei atual nesses 52 anos. Os principais pontos que o texto aborda já estão atendidos por outros tipos penais. Por que fazer agora, no momento em que você tem grandes operações — a Lava-Jato é a principal, mas não é a única — envolvendo congressistas? Um terço do Senado está sendo investigado no Supremo Tribunal Federal.

Trata-se de retaliação?

Qualquer atitude que o Senado tenha pode ser vista como retaliação. O relator do projeto, senador Roberto Requião, há muitos anos tem visão crítica sobre certas pessoas do Judiciário e do Ministério Público. Não identifico nele qualquer intenção de atacar a Lava-Jato. Isso não quer dizer que não existam pessoas se aproveitando da discussão para tipificar situações que ataquem a Lava-Jato. Sem dúvida nenhuma, está acontecendo porque há algumas coisas sendo colocadas no projeto que têm endereço certo.

A operação cometeu abusos, como excesso de prisões e conduções coercitivas e a própria decisão do juiz Sergio Moro de obrigar o ex-presidente Lula a comparecer a todas as audiências de testemunhas?

A defesa do ex-presidente recorreu. Não se pode determinar uma diferença de interpretação como abuso de autoridade. O juiz justificou sua decisão, o normal são oito testemunhas. A defesa apresentou 87 e ele deferiu, embora tenha exigido a presença do réu. Isso é uma discussão comum, normal do processo. Sobre a condução coercitiva, ela não está expressa em lei, mas é admitida em todas as instâncias do Judiciário porque é menor do que a prisão temporária. Ela não tem apenas a função de ouvir, mas sim ouvir naquele momento, sem possibilidade de combinação de versões, e também retira a pessoa daquele ambiente porque se está coletando provas. Se fala em 200 conduções coercitivas na Lava-Jato, mas só a do Lula foi tratada como absurda. Nenhum outro réu reclamou. É direito transformar isso em discurso político, mas do ponto de vista técnico não há nada de mais.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.