Repercussão internacional

Eventual volta de Lula em 2018 é "dor de cabeça" para Temer, diz Financial Times

Jornal britânico escreveu que o ex-presidente "deu o pontapé inicial no que muitos acreditam que pode se tornar uma das mais notáveis tentativas de retomada política do Brasil"

Por: Estadão Conteúdo
20/04/2017 - 12h33min | Atualizada em 20/04/2017 - 12h33min
Eventual volta de Lula em 2018 é "dor de cabeça" para Temer, diz Financial Times Reprodução/Financial Times
Reportagem do jornal diz que "o carismático" Lula "deu o pontapé inicial" para possível "retomada política do Brasil" Foto: Reprodução / Financial Times  

O eventual retorno do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tem afirmado que pretende concorrer ao Palácio do Planalto em 2018, é mais uma "dor de cabeça" para o presidente Michel Temer, no momento em que o atual governo enfrenta dificuldades para aprovar a reforma da Previdência em curso na Câmara dos Deputados e tem integrantes envolvidos na ampla investigação de corrupção no Brasil, destaca o jornal britânico Financial Times, em reportagem publicada nesta quinta-feira.

Citando um vídeo recente em que o líder do Partido dos Trabalhadores exalta seus oito anos à frente do poder, entre 2003 e 2010, quando a economia brasileira esteve entre as de maior crescimento no mundo, o jornal diz que "o carismático" Lula "deu o pontapé inicial no que muitos acreditam que pode se tornar uma das mais notáveis tentativas de retomada política do Brasil". No vídeo, o petista ataca o governo Temer e faz críticas à reforma da Previdência. 

— Eles querem retirar os direitos dos trabalhadores e dificultar a aposentadoria — acusa o ex-presidente.

Leia mais
Delações da Odebrecht agravam situação de Lula em relação a sítio 
Temer enquadra siglas "infiéis" para aprovar reformas
Vídeos das delações da Odebrecht revelam detalhes de corrupção

O FT salienta, no entanto, que Lula enfrenta investigações por corrupção em processo conduzido pelo juiz federal Sérgio Moro no âmbito da Lava-Jato e que, se for condenado e a decisão for mantida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), se tornará inelegível em 2018, conforme a lei eleitoral brasileira.

O jornal britânico pontua também que grande parte da corrupção que tomou conta da Petrobras teve início durante o governo de sua sucessora, a ex-presidente Dilma Rousseff.

A reportagem lembra, por outro lado, que um dos delatores da Odebrecht afirmou à Procuradoria-Geral da República (PGR) na semana passada que Temer comandou em 2010, quando candidato a vice-presidente da República, uma reunião na qual se acertou pagamento de propina de US$ 40 milhões ao PMDB.

O Financial Times pontua que a reforma da Previdência é vista como crucial para a sobrevivência política da base de Temer e para a recuperação da economia brasileira, que enfrenta a pior recessão de sua história.

Disputa eleitoral

Apesar da possibilidade de Lula se tornar inelegível, o FT deu destaque à pesquisa de intenções de voto da CNT/MDA divulgada no último sábado, que revelou que, se as eleições presidenciais fossem hoje, o ex-presidente venceria a disputa com os demais adversários.

De acordo com o levantamento, o petista apresenta hoje 30,5% das intenções de votos contra 11,8% de Marina Silva; 11,3% do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ). A publicação lembra ainda que Lula chegou ao fim de seu mandato, em 2010, com 83% de aprovação depois de um "boom" econômico em que a classe média brasileira cresceu respondendo por quase metade da população.

O Financial Times ressalta também que, caso concorra novamente à Presidência no ano que vem, Lula pode ter que enfrentar "extraordinários" novos concorrentes, como o empresário e recém-eleito prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), citado como um "outsider" da política. 

"Assim como o presidente dos EUA, Donald Trump, Doria é um grande usuário de redes sociais que apresentou a versão brasileira do programa 'O Aprendiz'", compara a reportagem do FT.

Leia as últimas notícias de Política

*Estadão Conteúdo

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.