Delação da JBS

Janaína Paschoal se diz decepcionada com "conversa assustadora" de Aécio Neves

Em entrevista ao Timeline, da Rádio Gaúcha, advogada que pediu impeachment de Dilma comentou publicações que fez no Twitter, em que classificou o senador como "decepção de Tancredo (Neves)"

Por: Vanessa Kannenberg
19/05/2017 - 11h36min | Atualizada em 19/05/2017 - 11h43min
Janaína Paschoal se diz decepcionada com "conversa assustadora" de Aécio Neves Alessandro Dantas/Divulgação
Foto: Alessandro Dantas / Divulgação  

A advogada Janaína Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment da então presidente Dilma Rousseff (PT), repercutiu, em entrevista ao programa Timeline, da Rádio Gaúcha, suas publicações no Twitter. Na manhã desta sexta-feira, Janaína escreveu que não consegue parar de pensar na "decepção de Tancredo (Neves)", avô de Aécio Neves, senador flagrado em gravação da Polícia Federal pedindo R$ 2 milhões a um dos donos da JBS.

A jurista disse, ainda, que já vinha "desconfiando" de Aécio desde que apareceram suspeitas envolvendo pagamento de propina na construção da usina hidrelétrica de Santo Antônio, no Estado de Rondônia.

— Quando li aquilo, eu já achei que estava muito estranho. Agora, com essa conserva assustadora... por que, o que justifica um senador da República falar com um empresário, que ganha bilhões do BNDES, que está enrolado em várias operações, e pedir dinheiro pra pagar um advogado? — questionou ela, referindo-se às gravações em que Aécio aparece solicitando dinheiro ao empresário Joesley Batista, supostamente para pagar despesas com sua defesa na Lava-Jato.

Escute a íntegra da entrevista:

Leia mais:
STF deve divulgar hoje conteúdo das delações da JBS; acompanhe
O dia em que Aécio Neves perdeu a cadeira no Senado e no partido
Aécio Neves anuncia licença da presidência do PSDB

No Twitter, Janaína questionou: "Como se mancha o nome de um verdadeiro herói nacional, um mito, por dinheiro?", se referindo a avô a neto. "O nome tem peso. O neto de Tancredo não poderia ser um político como outro qualquer", complementou.

Ao Timeline, reforçou que concorda que Aécio deveria deixar o mandato:

— Não estou antecipando culpa, mas não dá para continuar como senador. Falo isso com tristeza, por causa de Tancredo.

Janaína Paschoal ainda comentou as gravações envolvendo o presidente Michel Temer. Para ela, são graves os conteúdos já divulgados e acredita que o peemedebista devia renunciar ao cargo. Disse que acha que, sozinhos, os áudios não se sustentam, mas é "muito estranho" um presidente receber um envolvido na Lava-Jato e na Carne Fraca, "na calada da noite", e tratar sobre temas que vão muito além do setor frigorífico.

A advogada disse, ainda, que vai votar a favor do impeachment de Temer na consulta interna feita pela OAB, mas que vai se manifestar contra as eleições diretas. Segundo ela, a mobilização do PT para que isso ocorra é um "golpe" para colocar Lula no poder.

— Os petistas estão alucinados para fazer essa eleição direta. A-lu-ci-na-dos. Em nenhum momento eles fazem uma mea culpa e reconhecem os crimes do pessoal do lado deles. Eles estão alucinados apontando dedo para o lado Temer e neste aspecto estão com razão, mas estão desesperados pra antecipar as eleições, porque eles querem dar um golpe. 

Acrescentando em seguida:

— Temer está errado, Aécio está errado, têm que ser punidos, têm que sair do poder, concordo com tudo isso. Agora, não venham pintar de santos.

Janaína apontou, ainda, qual acredita que deveria ser o caminho político do país, para evitar que "sangre" novamente: Temer deveria renunciar e, na linha sucessória, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (PMDB-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), deveriam se abster do cargo, colocando a presidente do STF, Cármen Lúcia, no poder, por 30 dias. Após, eleições indiretas nomeariam alguém pelo próximo ano.

— Aí, em 2018, teremos a chance de fazer uma eleição mais limpa em todos os sentidos — concluiu.