Supremo Tribunal Federal

Pedido de Janot para declarar Gilmar Mendes impedido causa "desconforto", diz ministro do STF

Marco Aurélio Mello afirmou que, em 26 anos na Corte, nunca julgou o impedimento de qualquer magistrado

Por: Zero Hora
09/05/2017 - 11h46min | Atualizada em 09/05/2017 - 11h48min
Pedido de Janot para declarar Gilmar Mendes impedido causa "desconforto", diz ministro do STF Fellipe Sampaio/STF,Divulgação
Foto: Fellipe Sampaio / STF,Divulgação  

O ministro Marco Aurélio Mello afirmou que "há um desconforto" no Supremo Tribunal Federal (STF) após o pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para que Gilmar Mendes seja declarado impedido de relatar um pedido de liberdade do empresário Eike Batista. O argumento utilizado por Janot é de que a esposa de Mendes é sócia do escritório do advogado Sérgio Bermudes, que atua em casos ligados a Eike, tornando o ministro impedido de analisar o caso.

Em entrevista à Rádio Gaúcha, nesta terça-feira (9), Mello afirmou que nunca julgou um pedido de impedimento de colega durante a carreira no Judiciário. O ministro explicou que, normalmente, o próprio magistrado se declara impedido quando avalia que há razão de "foro íntimo" para se afastar do caso. 

— Constrangimento existe. Estou há 26 anos no Supremo e jamais apreciei um pedido alusivo a impedimento de colega. Estarei na bancada para atuar com o mesmo desprendimento que norteia a minha atividade como juiz. É cedo para adiantarmos qualquer ponto de vista — disse. — Não há (tensão no STF), o que há é um desconforto. Vindo o questionamento, terei que me pronunciar a respeito.

Leia mais
Janot pede impedimento de Gilmar Mendes para atuar em processo de Eike
Escritório de advocacia não atuou no habeas corpus de Eike, diz Gilmar Mendes 
Gilmar Mendes manda soltar Eike Batista

Mello já se declarou impedido para julgar casos relativos ao ex-presidente Fernando Collor de Mello e ao juiz José Maria de Mello Porto (falecido), já que ambos eram primos do ministro. Sem adiantar o voto caso o pedido de Janot seja submetido ao plenário do STF pela presidente da Corte, Cármen Lúcia, Mello critica o procedimento atual utilizado pelos ministros para se declarar impedidos na análise de ações judiciais. De acordo com ele, a alegação de "foro íntimo" é subjetiva.

— Esse foro íntimo é de uma ambiguidade incrível. Deve o juiz dizer por que não se encontra em situação capaz de atuar no próprio processo — sustenta.

Além de solicitar o impedimento de Gilmar Mendes, o pedido apresentado pelo procurador-geral da República ao Supremo também pede a anulação da liminar do ministro que concedeu liberdade a Eike Batista, no final de abril. O empresário foi alvo da Operação Eficiência, em janeiro, e é réu na Justiça Federal do Rio de Janeiro por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Janot também quer que seja declarada a suspeição de Mendes para atuar como relator do pedido de liberdade de Eike. Tanto o impedimento como a suspeição são pedidos que colocam em dúvida a imparcialidade do ministro e estãoprevistos no Código de Processo Civil (CPC) e no Código de Processo Penal (CPP).

Leia as últimas notícias de Política