Porto Alegre

Lei que proíbe carrinhos de catadores entra em vigor em duas semanas. Eles vão viver de quê?

Se a Câmara de Vereadores não se mexer imediatamente para estender o prazo, milhares de famílias devem ficar sem renda a partir do dia 10

24/02/2017 - 06h01min | Atualizada em 24/02/2017 - 06h01min
Lei que proíbe carrinhos de catadores entra em vigor em duas semanas. Eles vão viver de quê? André Ávila/Agencia RBS
Foto: André Ávila / Agencia RBS  

— Nossa vida depende do carrinho — resume Antônio Carbonero, um dos catadores apavorados com a lei que entra em vigor no próximo dia 10.

A partir dessa data, ficam proibidos em Porto Alegre os veículos de tração humana, que são os carrinhos utilizados por homens e mulheres para coletar material reciclável. Se a Câmara de Vereadores não se mexer imediatamente para estender o prazo, milhares de famílias devem ficar sem renda alguma dentro de duas semanas.

A lei que veta os carrinhos foi aprovada em 2008, a partir de um projeto do então vereador Sebastião Melo (PMDB) — que proibia também as carroças, já em extinção na cidade. Só que a mesma lei previa a retirada dos catadores por meio de um programa chamado Todos Somos Porto Alegre: o plano era oferecer cursos aos trabalhadores e inseri-los no mercado formal de trabalho. Não funcionou.

Mais de Paulo Germano sobre Porto Alegre:
Vereador quer obrigar times a estamparem "adotem animais" em suas camisas
Toniolo será intimado a pagar R$ 35 mil por pichação a monumento
Camisa preta é "só grudar" e vermelha é "beijo triplo": o encontro da pegação

Antônio Carbonero conta que fez cursos e chegou a trabalhar em empresas, mas, com a crise econômica, acabou demitido e retornando à coleta. Outros catadores, por serem analfabetos, não conseguiram aproveitar boa parte do conteúdo ensinado.

É compreensível a resistência às carroças, devido aos supostos maus-tratos aos cavalos, mas por que os carrinhos precisam ser extintos?

— Fiz o projeto pensando no ser humano — responde Sebastião Melo. — Ninguém tem de ficar puxando carrinho, trabalhando no sol. Por isso, a ideia era reduzir gradativamente essa atividade por meio da inclusão social.

Uma boa intenção, mas, no cenário atual, vai aumentar é a exclusão social. O vereador Marcelo Sgarbossa (PT) já protocolou um projeto que prorroga até 2022 o prazo para a lei entrar em vigor, mas precisa que os líderes partidários entrem em acordo para a proposta passar na frente das outras. Só restam duas semanas.

Corram, vereadores, por favor.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.