Volta o preço antigo

Liminar suspende reajuste das passagens de ônibus e lotações em Porto Alegre

Juíza Karla Aveline de Oliveira determinou que a tarifa volte ao valor anterior ao reajuste a partir das 6h desta quinta-feira  

24/02/2016 - 19h36min | Atualizada em 25/02/2016 - 01h58min

Uma liminar suspendeu nesta quarta-feira o reajuste das passagens de ônibus e lotações em Porto Alegre. Decisão da juíza Karla Aveline de Oliveira, da 5ª Vara da fazenda Pública, em ação movida por líderes do PSOL, determina que a partir das 6h da manhã desta quinta a tarifa retorne ao valor anterior ao aumento — R$ 3,25 para os ônibus e R$ 4,85 para as lotações. A tarifa tinha alterado para R$ 3,75 e R$ 5,60, respectivamente, na última segunda-feira, um aumento de 15,38%.

A juíza deferiu antecipação de tutela e determinou que as empresas sejam notificadas pelos oficiais de justiça de plantão. A ação cautelar sustentava que o aumento foi acima da inflação e se deu sem consulta ao Conselho Municipal de Transporte Urbano (COMTU).

Leia mais:
Bloco de Luta faz protesto contra aumento da tarifa de ônibus
Novos ônibus (e nova tarifa) são o assunto pelas ruas de Porto Alegre

— Foi um aumento abusivo em um momento de pico de desemprego no Brasil, e é fundamental que o transporte tenha qualidade e preço acessível. Acredito que essa vitória vai servir da exemplo para todo o país — salienta o deputado Pedro Ruas (PSOL), que além de ser um dos autores é advogado na ação junto com a ex-deputada Luciana Genro.

Diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari afirmou na noite desta quarta que não há tempo para operacionalizar a mudança de valores.

– Precisamos de, no mínimo, 24 horas para atualizar o sistema de bilhetagem. Não há possibilidade de implementar esta decisão – argumentou Cappellari, que destacou que os preços cobrados hoje serão R$ 3,75 para ônibus e R$ 5,60 para lotação.

Após reunião com a Procuradoria-Geral do Município, a EPTC informou que entraria ainda na noite de quarta-feira com recurso contra a decisão. Alega que não foi ouvida e que não teve oportunidade de mostrar a legalidade do processo que levou ao aumento das tarifas.

Gerente-executivo da Associação de Transportadores de Passageiros (ATP), Luiz Mario Magalhães Sá, afirmou que as empresas farão "o máximo de esforço" para cumprir a determinação judicial, mas prevê uma complicação em relação ao prazo, especialmente para alterar a tarifa nos cartões TRI no sistema.

— Em uma central de computação estão os softwares que controlam a bilhetagem de todos os ônibus, inclusive integrações. Isso leva algum tempo para ser alterado, pois, como não é online, o sistema só transmite novos dados à frota quando os ônibus estão nas garagens, onde estão as antenas de transmissão que recebem dados da central e transmitem para os ônibus. Isso só pode ocorrer de madrugada — diz Luiz Mario, destacando que não haveria tempo hábil para fazer a mudança durante a madrugada.

A ATP aguarda orientações da EPTC para definir a tarifa, cuja determinação prevê a alteração para o valor anterior a partir das 6h. Luiz Mario destaca que o réu é a prefeitura municipal, a única, portanto, que pode ou não tomar medidas junto à Justiça, mas lembra do prejuízo às empresas.

— Foi feito um investimento de mais de R$ 120 milhões e atendemos um dos itens de qualidade mais exigidos que é aumentar porcentagem de ônibus com ar-condicionado. Esperamos ter a retribuição desse investimento — afirma.

Na segunda-feira, dia em que aumentou o valor da tarifa, entraram em operação 296 coletivos de pintura diferente em substituição a veículos antigos, 210 deles climatizados. De acordo com a EPTC, o cálculo para o aumento da tarifa leva em conta o menor valor definido no ato da abertura das propostas das empresas, em julho de 2015, acrescidos da inflação (IPCA) dos últimos sete meses e do dissídio dos rodoviários.

Além de Luciana e Pedro Ruas, a ação cautelar foi de autoria de Fernanda Melchionna, Alex Fraga e Carlos Robaina.

Repetindo 2013

Em abril de 2013, a ação cautelar do então vereador Pedro Ruas e da vereadora Fernanda Melchionna, ambos do PSOL, pedindo a suspensão do aumento da passagem de ônibus em Porto Alegre também foi aceita pela Justiça. O argumento contrário era a não existência de licitação para a prestação do serviço na cidade.

Bloco de Luta mantém protesto para a próxima segunda-feira

Em assembleia realizada na noite desta quarta-feira, o Bloco de Luta pelo Transporte Público em Porto Alegre comemorou a decisão da Justiça, que suspendeu o aumento, e também decidiu manter o ato programado para a próxima segunda-feira. Está prevista uma nova caminhada pela área central de Porto Alegre, com concentração a partir das 17h na Praça Montevidéu. Este será o terceiro ato realizado pelo Bloco, que espera reunir entre 8 mil e 10 mil manifestantes.

O protesto, além de pedir a manutenção da decisão judicial que barrou o aumento, também tem o objetivo de ampliar a discussão sobre a forma como foi conduzida a licitação para o transporte público na Capital.

— Embora seja num caráter liminar, a decisão é uma vitória, porque avaliamos que a juíza não teria a mesma opinião se não tivesse havido a mobilização da segunda-feira — afirma um dos integrantes do Bloco e da organização do ato, Júlio Câmara.

*Com Jéssica Rebeca Weber e Rosangela Monteiro

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.