Pode circular

Decisão do TJ garante a atividade do Uber em Porto Alegre

Ação movida por taxistas pedia o bloqueio do aplicativo na Capital

15/07/2016 - 09h44min | Atualizada em 15/07/2016 - 11h28min
Decisão do TJ garante a atividade do Uber em Porto Alegre Omar Freitas/Agencia RBS
Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Uma decisão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul garantiu o funcionamento do aplicativo Uber em Porto Alegre. Em decisão liminar de segunda instância, no mês passado, o desembargador Túlio de Oliveira Martins criticou a "reserva de mercado" aos taxistas. 

O magistrado apreciou a ação movida pelo Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre que pedia o bloqueio do aplicativo, sob argumento de que o serviço não é regulamentado pelo município. O processo agora será avaliada pelo colegiado da 10ª Câmara Cível do TJ.

Leia mais:
Uber vai entregar sorvetes de graça em Porto Alegre nesta sexta-feira
"Ele disse que só sairia dali com briga", diz taxista sobre motorista do Uber
"Uma tragédia é iminente", diz Cappellari sobre conflitos entre de táxi e Uber

— O serviço prestado pelos credenciados à agravante se dá em regime de monopólio e concessão, com reserva de mercado inclusive dentro do próprio sistema, como pontos de táxi, cooperativas e outros aplicativos, que privilegiam determinados profissionais (usuários do serviço) em detrimento de outros — afirmou o juiz.

Martins também criticou o comportamento do poder público ao realizar tocaias para apreender veículos do transporte privado.

— O poder público, às vezes, excita um pouco a discussão quando as autoridades de trânsito criam esse ambiente de caça ao Uber. Não podemos esquecer que existem passageiros, que a polícia tem mais coisa para fazer do que ficar pegando veículos em situação discutível. Acho que não educa ninguém e não contribui o Estado emboscar atrás do muro para dar um golpe. É diferente do Uber ser parado em uma fiscalização normal — avalia o desembargador.

No entanto, o magistrado afirma que os tributos referentes ao município precisam ser pagos pela empresa e que, se há valores devidos, isso poderia possibilitar apreensões. 

Regulamentação é atribuição da União, diz especialista

O coordenador do grupo de estudos de Direito de Trânsito do Instituto dos Advogados do Rio Grande do Sul, Segundo Fábio Rods, afirma que a regulamentação do transporte é de competência do Congresso Nacional, já que a Lei Federal da Mobilidade Urbana criou a possibilidade de transporte privado individualizado.

— O Uber não é ilegal. Pode é não estar regulamentado, mas quem tem que fazer isso é a União, não o município. Ao município cabe a regulamentação apenas do pagamento do ISS (Imposto Sobre Serviços) — destaca Rods. 

O advogado lembra, inclusive, que a empresa poderá pedir à Justiça reparação dos prejuízos causados pela fiscalização da prefeitura. 

O diretor-presidente da EPTC questiona o entendimento da Lei da Mobilidade. Segundo Vanderlei Cappellari, há um artigo isolado que cria o transporte remunerado privado, mas não há qualquer especificação de transporte privado que sinalize para esse tipo de operação com aplicativos. Também garante que a Constituição Federal diz que operações de transporte nas cidades são de regulamentação exclusiva do município.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Uber informou que "o projeto encaminhado pela Prefeitura de Porto Alegre é um excelente ponto de partida para a construção de uma legislação moderna e inovadora, que defende a opção de escolha e a privacidade dos cidadãos", mas lembra que legislações que regulamentam a economia colaborativa devem respeitar o Marco Civil da Internet.

A empresa lembra que a justiça brasileira já confirmou diversas vezes que a atividade é legal no Brasil e que não concorda com as apreensões de veículos. A respeito do pagamento de tributos, a Uber informa que paga todos os impostos devidos no Brasil, inclusive o Imposto Sobre Serviços (ISS) municipal.

Leia mais sobre o Uber

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.