Entrevista

"Não é ideal ter a captação do Dmae em um ponto tão poluído", afirma secretária sobre alterações na água

Ana Pellini diz que localização da empresa Cettraliq não é ideal, mas que captar água nas proximidades também não é

Por: Bruna Vargas
14/07/2016 - 21h41min | Atualizada em 14/07/2016 - 22h03min

Secretária do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Ana Pellini explica, na entrevista a seguir, suas declarações desta semana de que a Fepam teria "certa dependência" na Cettraliq, única empresa de Porto Alegre habilitada a fazer tratamento de efluentes de outras companhias e cuja atividade pode ter relação com as alterações na água da Capital.

Leia também
Fepam muda versão sobre bactérias e desconfia de que esgoto doméstico esteja poluindo a água
Vigilância afirma que água é potável
ZH faz teste na água de 10 bairros

A secretária acrescenta que, se a Cettraliq não deveria estar localizada em uma zona urbana, o Dmae também não deveria captar água nas proximidades. Confira a seguir:

Em entrevista, a senhora disse que a Fepam tem "certa dependência" da Cettraliq. Não existe um conflito ético quando um órgão ambiental diz depender de uma empresa que ele precisa fiscalizar?

Não é a Fepam, é a sociedade (que depende da empresa). Não dependemos dela para nossa manutenção. A taxa de licenciamento dessa empresa não causaria um abalo financeiro à Fepam. Talvez a palavra que eu tenha usado seja errada, para dizer que, se o Rio Grande do Sul quiser que empresas menores se instalem no Estado, vai ter que oferecer esse serviço. Sem a Cettraliq, teríamos de caçar diversas licenças.

A senhora também disse que, em função de a companhia tratar efluentes de mais de 1,5 mil empresas, recebe um "olhar especial" da Fepam. O que isso significa?

Monitoramos a Cettraliq de maneira muito intensa, desde antes desse evento, pelo tipo de atividade que ela tem. Procuramos administrar isso (o fato de ela ter uma atividade importante e a fiscalização), mas sempre com todo apoio técnico para que o procedimento seja correto. Há um monitoramento permanente e uma assistência técnica.

A atenção nunca é no sentido da condescendência, ao contrário: somos muito mais rígidos com ela, tanto é que já foi multada. Procuramos fazer com que tenha o melhor procedimento, porque isso vai garantir o funcionamento de outras empresas com qualidade para o ambiente.

Como é feita a fiscalização da Cettraliq hoje?

Temos um departamento de fiscalização que faz visitas periódicas, com coleta de efluentes e análise para ver se estão cumprindo o padrão. Isso é feito, no mínimo, uma vez por mês.

A Cettraliq lida com efluentes de diversas naturezas e é autorizada a liberar o resultado desse processo na rede pluvial, a dois quilômetros da captação, o que é considerado pouco seguro por especialistas. Em algum momento antes de surgirem problemas na água, a Fepam comunicou a prefeitura sobre os riscos?

A Cettraliq já está ali há muitos anos. Ela foi instalada com anuência da prefeitura no passado. Todo licenciamento da Fepam começa com a anuência da prefeitura, dizendo que a empresa está de acordo com o Plano Diretor e que o município concorda. Depois disso, sempre acompanhamos, para ver se não há um risco maior. É a localização ideal? Claro que não é. Assim como não é ideal ter a captação do Dmae em um ponto tão poluído. Mas tenho certeza de que, se pudéssemos fazer escolhas hoje, as coisas seriam diferentes.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.