Parque da Harmonia

Do piso ao telhado, veja como nasce um piquete do Acampamento Farroupilha

Como é feita a montagem do espaço de reunião, churrasco e convivência no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, na Capital 

Por: Eduardo Rosa
09/09/2016 - 03h03min | Atualizada em 09/09/2016 - 14h04min
Do piso ao telhado, veja como nasce um piquete do Acampamento Farroupilha Omar Freitas/Agencia RBS
Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

É tempo de piquetes no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho. Mostramos o que foi preciso para que o Terra Gaúcha, por exemplo, ficasse pronto. Na construção, foram usadas 500 peças de costaneira para as paredes e 150 tábuas no assoalho. Durante o mês de setembro, o piquete ocupa o terreno 300 do Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, em Porto Alegre. O local, de 8,5m por 10,5m, sem divisórias e com uma varanda, torna-se ponto de encontro de um grupo de 17 membros fixos e um número variável de convidados que se reúnem em volta das churrasqueiras de tonel.

Leia mais:
Acampamento Farroupilha abre oficialmente com muita festa e churrasco
Bichos de pequeno e médio porte fazem alegria da criançada na Fazendinha

Até a inauguração, no último dia 3, foi necessário muito trabalho. À frente, esteve o patrão, o funileiro Gilberto dos Santos Ferreira, 54 anos — é ele que sabe as medidas, o material necessário e o que sobrou dos anos anteriores. No dia 20 de agosto, desembarcou no Parque da Harmonia com madeiras e telhas para erguer a sede da entidade. Para pregar as paredes e o assoalho, o esforço começava por volta das 8h e ia até a noite, com revezamento de quatro pessoas durante a semana e seis nos finais de semana.

— Trabalhamos com pouca gente. Então, os que têm tempo vêm dar umas marteladas — disse Gilberto, enquanto finalizava as paredes em uma tarde de agosto.

A chuva do primeiro fim de semana atrapalhou a montagem. Na semana passada, o mau tempo impactou menos, pois o telhado estava pronto, e os organizadores puderam se concentrar nos trabalhos internos.

— Durante o acampamento, acho que umas 300 pessoas passam por aqui diariamente. Vem o pessoal do piquete, os amigos e os amigos dos amigos — conta o auxiliar de produção Fabricio de Souza Ferreira, 31 anos, filho de Gilberto e capataz do Terra Gaúcha.

Foto: Eduardo Rosa / Agência RBS

Entidade está no parque há 16 anos

O Piquete Terra Gaúcha teve origem há 16 anos e, desde o início, é montado no mesmo terreno. Quando o Acampamento Farroupilha acaba, o material é levado para o sítio de um integrante, em Águas Claras (Viamão), onde fica armazenado em área coberta.

— Algumas coisas estragam, como telhas que quebram, e temos que comprar novamente. Não dá para aproveitar tudo — relata o patrão do piquete, Gilberto dos Santos Ferreira.

Ele começou a acampar no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho há três décadas e participou de outras entidades antes de criar o Terra Gaúcha. Apesar de setembro ser o ponto alto do ano, as atividades se estendem por meses, em que são promovidos eventos e idas a rodeios, inclusive para arrecadar o dinheiro gasto para a montagem do acampamento.

A construção

1) O primeiro passo é colocar os esteios, que vão dar a sustentação à construção. Como o terreno é muito úmido, na sequência é feito o assoalho, que facilita a colocação das madeiras que formam as paredes.

2) Depois, são erguidas as paredes de costaneira e instaladas as aberturas em cada uma delas.

Foto: Eduardo Rosa / Agência RBS

3) A terceira etapa é a colocação do telhado formado por telhas de zinco. Com ele pronto, fica mais fácil dar os arremates.

Foto: Eduardo Rosa / Agência RBS

4) Por último, é feito o trabalho interno: instalação de redes elétrica e hidráulica, colocação de móveis (como mesas, balcão e eletrodomésticos) e decoração, inspirada nos tradicionais galpões de estância.

Foto: Eduardo Rosa / Agência RBS
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.