Sob novas regras

Mudanças nas escolas municipais de Porto Alegre: o que pensam prefeitura, professores e pais

Alterações na rotina geram dúvidas e protestos, que acirram os ânimos nas comunidades escolares

07/03/2017 - 23h25min | Atualizada em 09/03/2017 - 11h37min
Mudanças nas escolas municipais de Porto Alegre: o que pensam prefeitura, professores e pais Félix Zucco/Agencia RBS
Na Escola Emílio Meyer, pais e alunos fizeram protesto Foto: Félix Zucco / Agencia RBS  

Apresentadas sob pretexto de melhorar o ensino, mudanças implantadas pela prefeitura de Porto Alegre nas escolas municipais acabaram envoltas em polêmica com professores e pais de estudantes.

As principais queixas incluem uma suposta falta de diálogo da Secretaria Municipal de Educação (Smed) antes de colocar as medidas em prática e dúvidas sobre quem assumirá a supervisão dos alunos durante algumas atividades. A Smed, por sua vez, acredita que parte da comunidade escolar não tenha compreendido com clareza as alterações previstas.

Leia mais:
Pais e alunos realizam protesto por falta de professor na Escola Emílio Meyer
Prefeitura recua e diz que não reduzirá carne na merenda escolar
Dúvidas marcam a volta às aulas em escolas municipais de Porto Alegre

O ano letivo começou sob tensão na Capital em razão das novidades (veja as principais no gráfico abaixo). Representantes dos professores apresentaram críticas à Smed durante uma reunião ontem, enquanto familiares de alunos da Escola de Ensino Fundamental Heitor Villa Lobos, no bairro Lomba do Pinheiro, impediram professores de entrar em sala de aula pela manhã em sinal de protesto.

— As mudanças foram realizadas de forma arbitrária, com um decreto mudando o horário, as refeições, os períodos de aula. Deveria ter sido feita uma consulta — avalia a representante da Federação das Associações e Círculos de Pais e Mestres (ACPM-Federação), Andreia Cesar Delgado.

A diretora pedagógica da Smed, Maria Cláudia Bombassaro, argumenta que as novas diretrizes foram apresentadas aos diretores em 21 de fevereiro.

— É um prazo razoável para uma nova gestão. Mas muitas escolas não compareceram para conversar — observa Maria Cláudia.

O município deixou de contabilizar o horário das refeições dos alunos como hora-aula, fazendo com que os professores deixem de acompanhar essa atividade para ficar mais tempo em aula — mas desperta preocupação nos pais sobre quem vai monitorar as crianças. Além disso, determinou alterações no regime de trabalho dos professores e nos períodos. Confira, no gráfico abaixo, um resumo das medidas e a posição de prefeitura, professores e pais sobre o tema.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.