Transporte

Carris projeta manter rombo em R$ 20 milhões até o final do ano

No ano passado, o valor destinado à empresa foi de R$ 55 milhões

19/06/2017 - 18h38min | Atualizada em 19/06/2017 - 18h38min
Carris projeta manter rombo em R$ 20 milhões até o final do ano Félix Zucco/Agência RBS
Foto: Félix Zucco / Agência RBS  

Em meio às comemorações dos 145 anos, a Carris tenta sair da crise enfrentada desde 2012, ano em que começou a receber aportes da prefeitura para fechar as contas. Somente em 2017, foram R$ 20 milhões. De acordo com a presidente da companhia, Helen Machado, os repasses devem ser suspensos a partir de agora para custeio. Caso novos valores sejam transferidos, serão para investimentos.

— No passado, faltou ter a visão de que a Carris é uma empresa. Ela precisa se manter sozinha dentro do que ela pode gastar — relata.

Leia mais:
Emergências SUS de cinco hospitais estão com atendimento restrito na Capital
Hospital Parque Belém deve ter novo modelo de atendimento

De acordo com a presidente, os custos da empresa são maiores, já que a frota não é padronizada, o que obriga a manter peças de diversos modelos de ônibus, a estrutura além do que o necessário e a burocracia na aquisição de veículos, o que diminui a competitividade.

Sobre declarações do prefeito Nelson Marchezan referentes à privatização da Carris caso os prejuízos não sejam revertidos, a presidente destaca que há um tempo curto até o final do ano para fazer uma projeção sobre a sustentabilidade da companhia.

— O prefeito deseja uma empresa que se mantenha de forma independente — diz.

Em 2012, a prefeitura aportou R$ 5,3 milhões nos cofres da empresa. No ano seguinte, o valor pulou para R$ 28 milhões. Já em 2014, foram injetados R$ 49 milhões. Em 2015, o montante ficou em R$ 48 milhões. No ano passado, o rombo foi de R$ 55 milhões.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.