Sem dinheiro

Prefeitura de Porto Alegre corta pré-vestibular gratuito para alunos de baixa renda

Justificativa é necessidade de cortar gastos em função da crise financeira

Por: Angela Chagas
19/07/2017 - 09h46min | Atualizada em 19/07/2017 - 10h28min
Prefeitura de Porto Alegre corta pré-vestibular gratuito para alunos de baixa renda Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS  

Em mais uma iniciativa para cortar gastos, a prefeitura de Porto Alegre decidiu que não vai mais abrir turmas para o cursinho gratuito de preparação aos vestibulares e ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). No ano passado foram abertas 700 vagas para estudantes de baixa renda. 

O corte foi confirmado pela secretaria de Desenvolvimento Social, Maria de Fátima Záchia Paludo. Segundo ela, estava prevista a destinação de R$ 500 mil para o programa, mas o dinheiro foi contingenciado pela Secretaria da Fazenda tendo em vista a crise financeira da prefeitura. 

— Com os problemas financeiros, temos de eleger prioridades. E a obrigação constitucional da prefeitura é garantir o atendimento das crianças nas creches e no Ensino Fundamental. 

Leia mais:
Prefeitura de Porto Alegre anuncia fim de bolsas de graduação 

Embora reconheça a importância da iniciativa para garantir que jovens de baixa renda possam disputar em melhores condições vagas nas universidades públicas, a secretária diz que num momento de crise é preciso fazer escolhas. E a prioridade agora, segundo ela, é manter os serviços básicos. 

O Curso Pré-Vestibular e Enem Popular (POP) foi criado em 2012, em uma parceria da prefeitura com a União Estadual dos Estudantes (UEE), responsável pelas aulas. A partir de 2015, a prefeitura passou a abrir licitação para contratar empresa para execução do serviço. O preparatório chegou a oferecer mil vagas por ano para pessoas de baixa renda que vivem em Porto Alegre. 

Maria de Fátima diz esperar que o cancelamento do cursinho seja temporário, e que no futuro a prefeitura possa voltar a abrir vagas. Questionada se o ajuste fiscal promovido pelo governo Marchezan estaria comprometendo as políticas sociais, a secretária nega. Segundo ela, a população em situação de vulnerabilidade segue como prioridade para as ações da prefeitura. 

Corte em bolsas também no Ensino Superior
Na semana passada, a Secretaria da Educação da Capital confirmou o fim do programa Unipoa, que oferecia bolsas de estudos em cursos de graduação de universidades privadas para pessoas de baixa renda. A justificativa apresentada também foi a necessidade de focar os investimentos na Educação Infantil e no Ensino Fundamental. 

De acordo com a prefeitura, foi suspensa a liberação de novas bolsas, mas quem já tem o benefício continuará no programa até concluir a faculdade. 


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.