Mercado

Veja os bairros mais caros e mais baratos para comprar imóvel em Porto Alegre  

Pesquisa do Secovi-RS leva em consideração espaços ofertados para venda em maio  

Por: Zero Hora
06/07/2017 - 14h45min | Atualizada em 06/07/2017 - 18h14min
Veja os bairros mais caros e mais baratos para comprar imóvel em Porto Alegre   Diego Vara/Agencia RBS
Foto: Diego Vara / Agencia RBS  

Considerando os imóveis ofertados para venda em Porto Alegre em maio, o bairro que teve maior preço para comercialização de espaços residenciais foi o Bela Vista, com média de R$ 6.435,47 por metro quadrado. 

Em seguida, vem o Moinhos de Vento (R$ 6.416,49), o Três Figueiras (R$ 6.308,12), o Boa Vista (R$ 6.229,38) e o Mont'Serrat (6.198,63). Já o metro quadrado mais barato foi encontrado nos bairros Guarujá (R$ 3.292,72), Lomba do Pinheiro (R$ 3.286,33), Rubem Berta (R$ 2.890,50) e Restinga (R$ 2.660,05).

Os números foram divulgados em uma pesquisa mensal realizada pelo Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis (Secovi-RS). O relatório revela que, diferentemente dos dados de aluguel — em que 38 bairros tiveram variação negativa em comparação com o preço dos imóveis ofertados para locação em maio do ano passado —, nas vendas, apenas oito bairros relacionados tiveram variação negativa. 

Amarelo: de R$ 3 mil a R$ 4 mil / Roxo: de R$ 4 mil a R$ 5 mil / Azul: de R$ 5 mil a R$ 6 mil / Verde: mais de R$ 6 mil 

Leia também:
Condições de rua que liga trensurb à Arena não têm data para serem resolvidas
Prefeitura deve passar gestão de espaços culturais para organizações privadas

Em 50 bairros, ficou mais caro comprar imóveis em maio deste ano. Um dos campeões é o bairro Vila Conceição, que apresentou aumento de 15,2%. O Moinhos de Vento registrou alta de 8,9%, o Bela Vista, de 4,9%, enquanto o Humaitá teve variação negativa de 3% e o São João, de 4,4%.

Presidente do Secovi-RS, Moacyr Schukster afirma que o mercado imobiliário ainda sofre os efeitos da crise, com queda de 7% nas vendas nos últimos 12 anos. Mas ele ressalta que, de acordo com a evolução dos últimos cinco anos realizada pelo sindicato, entre maio de 2012 e maio de 2017, os apartamentos de um dormitório tiveram variação real de 10,29% (a variação é ainda maior nas unidades de dois e três dormitórios, chegando a 11,62% e 17,82%).

— Significa que ainda está valorizado ante a inflação — afirma.

O bairro que tem maior concentração de ofertas (incluindo imóveis comerciais, residenciais e outros) é o Centro Histórico, com 857 unidades, seguido do Petrópolis (753), do Sarandi (591), do Menino Deus (576) e da Tristeza (463). 

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.