Cidade na maquete

Estamos em obras: 10 obras prometidas que Porto Alegre nunca viu

Alguns projetos foram anunciados na década de 1990 e jamais saíram do papel

29/08/2017 - 12h05min | Atualizada em 29/08/2017 - 13h59min
Estamos em obras: 10 obras prometidas que Porto Alegre nunca viu Reprodução / Agência RBS/Agência RBS
Em 1990, ZH publicava reportagem mostrando que o trânsito na Zona Norte já justificava a construção do metrô Foto: Reprodução / Agência RBS / Agência RBS  

Promessas, promessas, promessas. A Porto Alegre do papel não tem congestionamentos, tem várias alternativas de transporte e só precisaria de carros voadores para ser mais eficiente do que a Orbit City, famosa cidade do desenho norte-americano "Os Jetsons". Mas, assim como Orbit City, só existe na imaginação.

Algumas das obras que modernizariam a Capital foram prometidas em campanhas eleitorais desde a década de 1990. Ganharam espaço na mídia com a garantia de que Porto Alegre seria uma cidade do futuro — e entraram em uma espiral de debate da qual nunca saíram, como conta o engenheiro civil e doutor em Transportes, João Fortini Albano. 

— A todas as obras propostas para Porto Alegre, sucede-se uma grande discussão. E surge gente detonando essas ideias. Há uma grande movimentação negativa com relação a qualquer novidade no sentido de melhorar nossa cidade. Mas, de uma maneira geral, nós lutamos contra a falta de recursos e contra uma discussão absolutamente não técnica sobre as nossas obras — avalia. 

Veja, a seguir, 10 promessas que poderiam melhorar a vida de quem circula em Porto Alegre, mas nunca saíram do papel:

1) Portais da Cidade 

A organização no transporte coletivo de Porto Alegre começaria com a implementação do projeto Portais da Cidade, prometido ainda em 2006 pelo prefeito José Fogaça. Ônibus procedentes dos bairros chegariam em três grandes portais, nas avenidas Cairu, Princesa Isabel e Edvaldo Pereira Paiva, a Beira-Rio.

De lá, passariam linhas rápidas, a cada três minutos, que conduziriam os passageiros ao Centro. Mas em 2011 a iniciativa foi arquivada pelo prefeito José Fortunati — ganhava força a construção do metrô.

2) Metrô

Modelo de uma estação do metrô de Porto Alegre Foto: Reprodução / Ver Descrição

As primeiras discussões surgiram ainda na década de 90. Muitos traçados foram apresentados com o objetivo de contemplar diferentes regiões da cidade. 

Em 2009, durante o governo Fogaça, o projeto ganhou força quando se analisou as iniciativas que que estariam no pacote de obras de preparação para a Copa do Mundo de 2014. No entanto, já se alertava que o metrô poderia ser inviável por causa da falta de recursos. 

Já no comando de Fortunati, em 28 de março de 2011, a prefeitura cadastrou o projeto do metrô no sistema do PAC Mobilidade Grandes Cidades. O Governo Federal prometia colocar à disposição R$ 18 bilhões, sendo R$ 6 bilhões do Orçamento da União e R$ 12 bilhões na modalidade de financiamento.

A presidente Dilma chegou a anunciar a obra em outubro de 2011 e outubro de 2013. Porém, em 30 de dezembro de 2016, já no comando de Michel Temer, o governo federal informou que todo o recurso destinado para a obra foi retirado porque a prefeitura não conseguiu, em quase dois anos, formalizar a contratação das operações de crédito junto aos agentes financeiros do programa.

3) BRT (transporte rápido de ônibus)

O ônibus do futuro chegou a ser apresentado no Centro de Porto Alegre Foto: Ricardo Giusti / PMPA,Divulgação

Em 11 de março de 2013, ZH destacava, em sua versão online: "Corredores BRT irão transformar o trânsito de Porto Alegre". Inclusive, um "ônibus do futuro", com 24 metros de comprimento e capacidade para 166 passageiros chegou a ser apresentado no centro. Era uma amostra do modelo que circularia a partir de março de 2014, antes da Copa do Mundo.

O projeto que pretendia revolucionar o transporte coletivo de Porto Alegre previa melhorar a infraestrutura e criar sistemas inteligentes como bilhetagem eletrônica, monitoramento de veículos, controle e informação ao usuário.

A primeira etapa do projeto era a troca do pavimento dos corredores de ônibus das avenidas joão Pessoa, Protásio Alves, Osvaldo Aranha e Bento Gonçalves, que sequer terminou. 

Em 4 de agosto de 2017, a prefeitura anunciou a intenção de transferir a verba obtida por meio do FGTS e do BNDES para as obras paradas da Copa do Mundo de 2014. 

O argumento é que o montante é apenas 25% dos recursos necessários para contemplar o projeto na sua integralidade (R$ 1 bilhão). 

4) Ampliação da Castelo Branco (Avenida da Legalidade)

Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

No dia 18 de setembro de 2014, o Ministério das Cidades anunciou R$ 500 mil para a ampliação da Avenida Castelo Branco. A Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan) já estava com o termo de referência pronto para poder escolher a empresa que iria realizar um estudo de viabilidade, quando, no fim de 2016, o Governo Federal anunciou que cancelou a liberação da verba.

5) Perimetral Metropolitana

Foto: Arte Zero Hora

Assim como a ampliação da Avenida Castelo Branco (Avenida da Legalidade), a construção da Perimetral Metropolitana foi anunciada pelo Ministério das Cidades em 18 de setembro de 2014. O Ministério das Cidades repassou R$ 1 milhão para o projeto. A rodovia teria 31 quilômetros de extensão e, partindo de Porto Alegre, ligaria os municípios de Viamão, Alvorada, Gravataí e Cachoeirinha. De acordo com a Metroplan, o custo total da obra estava orçado em R$ 250 milhões. Os estudos iniciaram, mas também houve corte de recursos por parte da União anunciado no fim de 2016 e o projeto foi engavetado. 

6) Prolongamento da Avenida Ipiranga até Viamão

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

A ideia surgiu a partir de conversas de moradores em 2011. Ganhou força em setembro de 2013, quando uma audiência pública debateu a ampliação da avenida, em Porto Alegre, até o município de Viamão. 

Entre 2013 e 2014, a Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan) chegou a realizar reuniões técnicas com integrantes da prefeitura e da UFRGS, dona do terreno que receberia a continuação da via. 

Foram consideradas duas ligações alternativas. Uma delas, mais próxima da Avenida Bento Gonçalves, usaria vias internas do campus em busca de uma conexão com a extensão da Avenida Ipiranga. Essa hipótese foi rechaçada pela UFRGS. A outra foi considerada muito cara, pois fica na região mais elevada, com grandes impactos ambientais, o que fez com que o prolongamento ficasse inviabilizado.

7) Aeromóvel até a Arena do Grêmio

Foto: Kauê Menezes

Em 2009, antes mesmo de realizar a obra do Aeromóvel até o Aeroporto Salgado Filho, a Trensurb já avaliava estender uma linha até a Arena do Grêmio. O assunto foi tratado pelos diretores-presidentes, Humberto Kasper, e Marco Arildo Cunha. Em julho de 2013, um estudo de demanda chegou a ser realizado. Em julho de 2017, a ideia foi aposentada. Segundo o diretor-presidente da Trensurb, David Borille, disse que é preciso esperar mais. 

8) Aeromóvel para a zona sul de Porto Alegre

Prefeito José Fortunati anunciava a realização do estudo Foto: Ricardo Giusti / PMPA

Em 19 de dezembro de 2011, um termo de cooperação foi assinado entre a prefeitura de Porto Alegre e a Trensurb. O objetivo era analisar a viabilidade da obra. 

De acordo com estudos preliminares, a linha teria aproximadamente 7,2 quilômetros, da Usina do Gasômetro ao Jockey Club, no bairro Cristal. Devem ser construídas 12 estações, na extensão das seguintes vias: Presidente João Goulart, Loureiro da Silva, Augusto de Carvalho, Edvaldo Pereira Paiva e Diário de Notícias, junto ao Guaíba.

Em 2013, a Trensurb entregou o estudo de demanda de passageiros para a prefeitura. Ao custo de R$ 22 mil, a Matricial Engenharia Construtiva apresentou duas possibilidades de traçado da Estação Mercado da Trensurb até o Terminal Juca Batista – pela Avenida Padre Cacique e pela Avenida Edvaldo Pereira Paiva –, com cerca de 18 quilômetros de extensão.

Mas em julho de 2017, a ideia foi aposentada.

9) Estacionamentos subterrâneos

Promessa é que Largo Glênio Peres ainda receberá um estacionamento subterrâneo Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

Em agosto de 2011, a Prefeitura de Porto Alegre lançou edital de manifestação de interesse público para receber estudos sobre a construção de estacionamentos subterrâneos, no intuito de criar mais vagas para carros em regiões com grande circulação de veículos. Em dezembro do mesmo ano, os vereadores aprovaram o projeto. 

Em março de 2015, a Prefeitura divulgou que desistia de construir estacionamento subterrâneo no Parque da Redenção. A obra foi considerada muito cara e, por isso, foi abandonada. Já o projeto do Largo Glênio Peres, no Centro Histórico, não foi descartado, mas não há qualquer previsão de que o projeto sairá do papel na gestão de Nelson Marchezan.

10) Nova ponte sobre o Guaíba para ligar o bairro Lami, em Porto Alegre, e Barra do Ribeiro

Ponte foi promessa de Yeda Crusius na campanha de 2010 Foto: Adriana Franciosi

A promessa foi feita pela governadora Yeda Crusius durante a campanha eleitoral em 2010. O anúncio animou prefeitos de municípios do centro-sul do Estado. A ideia: construir uma ponte para ligar o bairro Lami, em Porto Alegre, e a região de Barra do Ribeiro. 

A obra integraria um megaprojeto de um Rodoanel, que envolveria a duplicada RS-118 até Viamão. Do outro lado do Guaíba, seriam feitas obras que cortariam a BR-116, facilitando o acesso de cargas ao porto de Rio Grande, e chegariam até a BR-290. 

A proposta de Rodoanel foi abandonada, principalmente, por causa do pouco movimento que passaria sobre a ponte e também porque as obras de duplicação da BR-116 e da construção da Rodovia do Parque eram as apostas do governo federal.

Leia mais:

Metrô de Porto Alegre: 27 anos de uma novela ruim

Construção dos Portais da Cidade começará pela zona norte de Porto Alegre

20 mil veículos por dia usariam a nova ponte sobre o Guaíba


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.