Porto Alegre

Fruteiras irregulares do centro de Porto Alegre são práticas para quem tem pressa, mas atravancam calçadas

A atividade, que não é regulamentada pela prefeitura, é comum nas avenidas Borges de Medeiros e Senador Salgado Filho 

Por: Bárbara Müller
05/08/2016 - 17h25min | Atualizada em 05/08/2016 - 18h52min

Comprar frutas e verduras nas calçadas do centro de Porto Alegre pode até ser mais prático para quem está com pressa e apenas de passagem no local, mas esse tipo de comércio não é regulamentado pela prefeitura. Ainda assim, são mais de dez fruteiras informais espalhadas pelas avenidas Borges de Medeiros e Senador Salgado Filho. A atividade divide opiniões de frequentadores da região.

— Fico espantando que a fiscalização municipal finja não ver um problema que acontece no Centro de Porto Alegre. Atrapalha e suja o espaço dos pedestres — relata o aposentado Carlos Terres, 67 anos, que passa diariamente pelo local.

Já para a dona de casa Juciele de Almeida, 28 anos, as fruteiras informais facilitam a vida de quem vive a correria do dia a dia:

— É bem mais prático, quem trabalha não tem tempo de ir ao mercado. As frutas são bem boas, compro nessas fruteiras sempre que dá.

Leia também:
Bairro Floresta ganha horta e composteira comunitárias 
Peixes mortos surgem novamente no Parque Moinhos de Vento

Segundo Luciane Mattei, chefe da Seção de Fiscalização de Atividades Ambulantes da Secretaria Municipal da Produção, Indústria e Comércio (Smic), não é permitida a utilização de calçadas e passeios públicos para exposição e venda de qualquer tipo de produto em todo o município de Porto Alegre. O comércio de hortigranjeiros pode ser licenciado em bancas de frutas e verduras, hortomercados e feiras.

Fruteiras ocupam parte das calçadas em esquinas das avenidas Borges de Medeiros e Senador Salgado Filho Foto: Reprodução / Reprodução

A Smic ainda explica que os comerciantes ambulantes devem buscar a Seção de Licenciamento de Atividades Ambulantes do órgão para verificar os locais e as atividades passíveis de licenciamento.

Segundo a pasta, a fiscalização de atividades ambulantes faz rondas diárias - e quando há registro de alguma denúncia - nas ruas do Centro Histórico e apreende produtos irregulares. Contudo, os comerciantes saem correndo quando avistam os agentes da Smic e retornam quando outra área está sendo fiscalizada.

As denúncias de práticas irregulares podem ser feitas através do fone 156.

Leia mais notícias de ZH Pelas Ruas


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.