50 anos atrás

Livro reconstrói o "tempo das carreteras", quando ruas da Capital e do Interior eram palco de corridas

Biografia de automobilista lembra corridas de veículos de época 

Por: Jéssica Rebeca Weber
08/12/2016 - 19h58min | Atualizada em 08/12/2016 - 20h04min

Houve um tempo em que cidades gaúchas se transformavam em um imenso autódromo. Mesmo em Porto Alegre, o povo ia em massa para as ruas ver seus ídolos em veículos de época adaptados para correr muito — chegavam a mais de 200 km/h em testes de velocidade.

Eram as corridas de carretera, expressão que significa "estrada" em espanhol. Os gaúchos copiaram dos "hermanos" argentinos o regulamento da categoria Turismo Carretera, realizando corridas de centenas de quilômetros por estradas sobretudo entre as décadas de 1940 e 1960. 

Leia também:
Ônibus de turismo é iluminado para passeios noturnos em Porto Alegre
Andamento de obra na orla de Porto Alegre revela novidades

Parte dessa história foi resgatada na biografia Aristides Bertuol: o piloto da carretera n° 4, lançada para apaixonados por automobilismo na noite de terça-feira na sede do Classic Car Club, na zona norte de Porto Alegre. A obra reúne o acervo do piloto de Bento Gonçalves falecido em 1979, que conquistou 15 vitórias em 60 corridas.

Fabiano Mazzotti e Gilberto Mejolaro, autores do livro, explicam que o que caracterizava as carreteras eram a carroceria fechada e a obrigatoriedade de a marca do motor ser a mesma do chassi.

Carretera de Bertuol na descida da Avenida Otto Niemeyer, na disputa de 500 quilômetros  Foto: Reprodução / Reprodução

A Capital sediou corridas importantes de até 500 quilômetros, como no chamado Circuito da Pedra Redonda, que passava pelos bairros Tristeza, Vila Conceição e Ipanema, na Zona Sul. A Avenida Farrapos também era uma referência: no GP de Porto Alegre, os pilotos largavam e chegavam na Farrapos, passando pela Sertório, Presidente Roosevelt, Cairu, Voluntários da Pátria e Ramiro Barcelos.

— Era muito mais do que a prática de uma mobilidade esportiva, era um acontecimento social de uma população, em que os pilotos representavam suas cidades. Tinha o Aristides Bertuol representando Bento Gonçalves, e aqui em Porto Alegre todo mundo lembra de Catarino e Julio Andreatta — observa o jornalista Fabiano Mazzotti.

Percurso do Circuito da Pedra Redonda, na Zona Sul de Porto Alegre Foto: Reprodução / Reprodução

Quem presenciou as corridas, relata que eram apaixonantes — e igualmente perigosas. Mortes de pilotos e de torcedores levaram à proibição da modalidade nas ruas, impulsionando a criação do Autódromo de Tarumã, como lembra Oscar Fernando Leke, engenheiro e um dos grandes conhecedores do assunto na Capital. Na opinião dele, apesar dos riscos, as corridas na rua eram mais interessantes.

— A gente se reunia, ia para a pista ver os carros passarem e fazia torcida pelos pilotos prediletos. E tudo acompanhado de um bom churrasco e uma boa cerveja — lembra.

Serviço

Obra: Aristides Bertuol: o piloto da carretera n° 4 (232 páginas, produção independente)

Preço: R$ 90,00

Onde encontrar: Martins Livreiro, em Porto Alegre, e pelo site classicshow.com.br

Julio Andreatta e Bertuol, na Avenida Farrapos  Foto: Reprodução / Reprodução

Leia mais notícias de ZH Pelas Ruas

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.