Circulação na Capital

Por que as ruas e avenidas de Porto Alegre engarrafam

Percepção de que há automóveis demais para vias de menos se reflete em dados: de 2007 para cá, o aumento na cidade foi de 30%

Por: Bruna Vargas
23/06/2017 - 18h45min | Atualizada em 23/06/2017 - 21h50min
Por que as ruas e avenidas de Porto Alegre engarrafam Félix Zucco/Agencia RBS
Foto: Félix Zucco / Agencia RBS  

Deslocar-se de carro por algumas das principais vias da capital gaúcha, no começo da manhã ou fim da tarde, é deparar com uma extenuante realidade: Porto Alegre engarrafa. A falta de infraestrutura aumenta o problema de circulação na cidade, mas especialistas oferecem soluções que vão além das obras viárias e tendem a desagradar motoristas. Um trânsito mais dinâmico depende da racionalização do uso do carro. Quanto menos o veículo sair da garagem, melhor.

— Uma das causas dos congestionamentos, talvez a mais fácil de resolver, é quando há um inadequado tratamento de sinalização ou de projeto viário de um ponto. Mas o mais complicado, que acomete a maioria das cidades, é o descompasso entre a estrutura física e quantidade de veículos que estão circulando. É um problema geral. As vias têm limite — explica Carlos Hardt, professor de gestão urbana da PUCPR.

Leia mais:
EPTC aposta em obras, especialistas defendem conexão de modais
VÍDEO: como se formam os congestionamentos e dicas de como fugir deles
Confira pontos e horários de maior congestionamento em Porto Alegre

A percepção de que há automóveis demais para vias de menos se reflete em dados. Somente entre 2001 e 2012, a frota brasileira mais que dobrou: passou de 24 milhões para 50 milhões de veículos — hoje o número ultrapassa os 95 milhões. Em Porto Alegre, de 2007 para cá, o aumento foi de 30%. Atualmente, há mais de 800 mil veículos em circulação na Capital — desses, quase 700 mil são carros —, uma média de um para cada 1,8 habitante.

As razões para tamanha motorização são diversas: a melhora na renda média da população nos anos anteriores à crise e a aposta do governo na indústria automobilística como geradora de empregos somadas à má qualidade do transporte e dos passeios públicos e a uma cultura ainda incipiente de uso da bicicleta são alguns dos fatores. A ilusão do conforto ajuda a agravar a situação: em vez de utilizar o modal apenas para situações em que ele é estritamente necessário, o carro virou o principal meio de transporte de parte da população, sobrecarregando as vias.

— O comportamento dos nossos motoristas reflete o nosso grau de cidadania e, infelizmente, é causa da maioria dos acidentes. Há disputas veladas dos motoristas entre si e com outros modais — avalia Hardt.

Apesar das tranqueiras crônicas, a situação de Porto Alegre "não é das piores" na avaliação da Empresa Púbica de Transporte e Circulação. A EPTC destaca que os pontos mais críticos estão localizados nas principais avenidas, e acredita que o problema deve ser amenizado após a conclusão das obras de mobilidade que se arrastam há anos.

— Em relação a outros contextos, não estamos em uma situação tão crítica, mas achamos que dá para melhorar. Estamos trabalhando em qualificar estratégias para dar alternativas aos motoristas — diz o diretor-presidente da EPTC, Marcelo Soletti. 

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.