Encare a Crise

Como funciona a portabilidade de crédito 

Transferir um financiamento ou empréstimo de um banco para o outro pode ser vantajoso, mas precisa de alguns cuidados

Por: Eduardo Rosa
12/09/2016 - 04h03min | Atualizada em 12/09/2016 - 04h30min
Como funciona a portabilidade de crédito  /

Em momentos de crise, a busca por condições mais favoráveis para o pagamento de empréstimos e financiamentos ganha terreno, e o caminho pode estar na portabilidade de crédito — a transferência das operações do banco onde foram contratadas para outra instituição interessada, sem que o cliente arque com impostos.

Leia também:
Como preparar sete refeições para duas pessoas por menos de R$ 100
Como evitar a armadilha das taxas altas dos fundos de investimentos
Eletrônicos: já está valendo a pena comprar em viagem?

A mudança de um banco para outro pode fazer com que a taxa de juros, por exemplo, seja reduzida e, por consequência, a dívida fique menor. O professor de Economia Alfredo Meneghetti, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), afirma que a portabilidade pode ser vantajosa, mas alguns cuidados devem ser levados em conta:

— Além das taxas de juros, é fundamental verificar o volume de crédito que é concedido, as condições do ambiente bancário, as taxas administrativas e histórico de pleitos não atendidos.

O economista também indica esgotar todas as possibilidades de negociação com o gerente da instituição de origem antes de tentar a transferência, pois ele já tem o histórico do cliente e pode ter algumas ofertas na manga.

A coordenadora institucional da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste), Maria Inês Dolci, diz que é fundamental conhecer o Custo Efetivo Total (CET) da operação — que deve ser solicitado ao banco — para ver se o negócio vale a pena.

— Ali, você tem todas as condições que foram firmadas, como o valor do empréstimo ou financiamento, parcelas, taxas, encargos, tudo que está sendo cobrado — lembra ela, sugerindo que todas as propostas sejam dadas por escrito.

Claudemir Galvani, professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP), pondera que a portabilidade não é garantia de bom negócio, mas salienta que o instrumento aumenta a concorrência entre os bancos.

O assessor jurídico do Procon do Rio Grande do Sul, Marcio Afonso, sugere que eventuais problemas sejam comunicados aos Procons dos municípios:

— Certifique-se de que não está sendo feita uma simples renegociação da dívida.


 






 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.