Educação

Colégio Bom Jesus São Luiz, na zona sul da Capital, anuncia fechamento para 2017

Instituição na Capital alega que será unificada à escola Sévigné, que pertence à mesma rede mantenedora

21/09/2016 - 17h49min | Atualizada em 21/09/2016 - 19h07min
Colégio Bom Jesus São Luiz, na zona sul da Capital, anuncia fechamento para 2017 Omar Freitas/Agencia RBS
A funcionária pública Giana Hilgert Wendling com os filhos Maria Fernanda, 4 anos, e Felipe, de 6 anos, alunos da escola Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Na última sexta-feira, pais dos alunos do Colégio Bom Jesus São Luiz, no bairro Teresópolis, na zona sul da Capital, foram chamados à escola para uma reunião sobre o planejamento do ano letivo de 2017. Veio então a surpresa: todos foram avisados de que a instituição vai fechar as portas no ano que vem. Aulas e atividades dos alunos serão mantidas apenas até o final deste ano.

Leia as últimas notícias 
Proposta de mudança em cotas na UFRGS relaciona revisão de percentuais a lei federal

Em comunicado por e-mail, por meio da assessoria de imprensa, a Rede Educacional Bom Jesus, que administra a escola desde 2009, diz apenas que concentrará as atividades na escola Bom Jesus Sévigné, no Centro Histórico. Professores e funcionários da instituição não foram autorizados a se manifestar sobre a decisão, no entanto, pais que estavam na reunião relatam que, durante o encontro, a situação financeira e a inadimplência foram citadas entre os motivos para a decisão de encerrar as atividades na escola.

Bruno Eizerik, presidente do Sindicato do Ensino Privado do RS (Sinepe/RS), afirma que não cabe ao órgão se manifestar sobre a situação específica do Colégio Bom Jesus São Luiz, mas afirma que resultados preliminares de uma pesquisa feita pelo sindicato apontam que as instituições de ensino no Estado enfrentam dificuldades e que houve um aumento na inadimplência. 

— O que a escola faz é uma questão de gestão, cabe à mantenedora tomar a decisão mais correta para a situação — afirma. 

A decisão de fechar a unidade no bairro Teresópolis afeta 220 alunos, da Educação Infantil ao Ensino Médio. 

— Foi uma bomba. A escola tem uma baita estrutura e conseguimos deixar as crianças aqui com segurança por causa do pátio. O ensino também é maravilhoso. O meu desejo era reverter essa decisão e trazer mais gente para cá, nos falaram que, talvez se o número de alunos dobrasse, isso não aconteceria — diz a funcionária pública Giana Hilgert Wendling, de 43 anos, mãe de Maria Fernanda, quatro anos, e Felipe, de seis, alunos da escola.

Escola Bom Jesus São Luiz, na Zona Sul da Capital Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Giana faz parte de um grupo de pais que lamentam o fechamento da escola e se veem indecisos sobre o futuro escolar dos filhos para o ano que vem. A proposta para transferência para o Bom Jesus Sévigné, no centro da Capital, dificultaria a logística da família que mora no bairro Santa Teresa, diz Giana. O Grupo Bom Jesus confirma que há vagas na escola para atender a todos os estudantes, mas não especificou sobre os benefícios ou o período para os estudantes requisitarem espaço nas turmas. Para ela, a escola informou que a mensalidade permaneceria na mesma faixa de preço — já que no São Luiz o valor cobrado por mês é mais baixo do que o Sévigné. A rede também teria oferecido outros benefícios, como auxílio para o transporte dos alunos. De acordo com Giana, a mensalidade sairia em média, para cada filho, R$ 600.

— Temos um mês para decidir o que fazer. Nossa turma queria se formar junta, agora não sabemos se vai dar. E aqui é bom por causa da proximidade de casa — diz Rafael Novoa, 16 anos, aluno do 2º ano do Ensino Médio.

A mãe do estudante, a advogada, Paola Pinent, de 34 anos, matriculou o filho há cinco anos na escola e diz que é quase inviável que o filho frequente um colégio no Centro. Entre as preocupações, estão a segurança do jovem. 

— Eu havia notado que as turmas tinham diminuído, a percepção era que caía o número de alunos — afirma.

Sindicato fará assembleia com professores 

A informação sobre o encerramento das atividades na escola São Luiz chegou ao Sindicato dos Professores do Ensino Privado do RS (Sinpro/RS) no início da semana. De acordo com Celso Stefanoski, diretor de educação do Sinpro/RS, nesta semana será convocada uma assembleia com os professores da escola. O sindicato afirma que vai acompanhar as rescisões, para assegurar os direitos trabalhistas dos funcionários da escola, e as possíveis transferências para a outra unidade da rede.

— Essa junção não se justifica desta forma e neste momento. A decisão foi feita de forma intempestiva, que desrespeita os professores e a comunidade escolar e vamos cobrar da rede mantenedora — diz. 

Leia as últimas notícias de Porto Alegre




 






 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.